Tesla manterá sistema de piloto automático mesmo após acidentes

Por Redação | 13 de Julho de 2016 às 11h58
photo_camera fortune.com

O CEO da Tesla, Elon Musk, afirmou que a montadora manterá o recurso "Autopilot" mesmo após aumentar a quantidade de acidentes por causa da função. Musk destacou que a empresa irá dobrar seus esforços para educar os clientes sobre as limitações do piloto automático, deixando-os cientes do que esperar do recurso. A montadora norte-americana deve elaborar uma cartilha explicativa para destacar como o sistema de piloto automático funciona e como os motoristas devem se comportar ao ativá-lo. "Muitas pessoas não entendem o que é e como ligá-lo", explicou Musk.

O executivo foi um dos grandes defensores da função "Autopilot" nos carros da Tesla, argumentando que o recurso poderia salvar vidas. O diretor do departamento de Segurança Rodoviária de Massachusetts, Jeff Larason, apoiou a iniciativa de Musk, dizendo que uma presença mais ampla de tecnologias de autocondução irá reduzir os riscos de acidentes no trânsito, tendo em vista que os motoristas são responsáveis por mais de 90% dos acidentes de automóveis.

Embora o sistema de piloto automático da Tesla tenha obtido mais controle sobre os veículos do que sistemas similares de outras empresas e dispor do recurso de travagem automática e direção assistida, a montadora vem enfrentando problemas recentes que chegaram a causar acidentes. Em junho, a Administração para Segurança de Tráfico em Rodovia Nacional (NHTSA) anunciou que está investigando o recurso "Autopilot" da Tesla após a primeira morte associada à função, ocorrida em maio.

No dia 07 de maio, o proprietário do Model S, Joshua Brown foi a primeira pessoa a perder a vida em um carro da Tesla utilizando o recurso de piloto automático. A NHTSA solicitou documentos e detalhes relativos a outros acidentes envolvendo o recurso para adicionar aos arquivos de investigação. As autoridades querem entender porque a função de freio de emergência e anticolisão não funcionaram no acidente fatal. Em sua solicitação, a NHTSA pede detalhes sobre a concepção e construção do piloto automático, bem como relatórios de acidentes, ferimentos e mortes relacionados à tecnologia.

Antes de lançar o sistema, a Tesla afirmou que ele ainda era uma versão beta e vem se defende com números obtidos em testes. Segundo a montadora, o Autopilot já foi utilizado em mais de 200 milhões de quilômetros antes do primeiro acidente. Apesar dos bons resultados obtidos, pelo menos mais dois acidentes envolvendo veículos da montadora norte-americana com piloto automático foram notificados pela NHTSA. Sendo assim, é provável que investigações mais intensas ocorram nas próximas semanas.

Via TechTimes