Será que o projeto de carro autônomo do Google vai "desmamar" da Alphabet?

Por Luciana Zaramela | 08 de Dezembro de 2016 às 22h32

O carro autônomo do Google anda meio fora da mídia ultimamente, mas isso não seria motivo algum para preocupar aqueles que morrem de vontade de ver o projeto virar realidade nas estradas daqui a alguns anos. O veículo, que está sob responsabilidade da divisão X da Alphabet (empresa que engloba o Google e todas as demais divisões), ainda não saiu da fase de testes, mas pelo visto, isso não vai demorar a acontecer.

O próximo passo da empresa agora é contratar um executivo para tomar conta das instalações necessárias para continuar o projeto. Segundo uma nova listagem de vagas publicada pela empresa, a equipe já está pronta para ter seu próprio QG e se expandir para além da sede da X em Mountain View.

"Caminhar adiante significa crescer, tanto em equipe quanto em área geográfica", diz a descrição da vaga. O objetivo é contratar alguém que "ajude a levar o projeto para este novo capítulo".

Aliás, esse vira-e-mexe da divisão X com o carro inteligente também inclui outras contratações, o que indica que tudo estaria se tornando, aos poucos, um negócio independente. Em julho, o projeto trouxe um representante jurídico para tomar conta de tanta regulamentação necessária e envolvida em condução autônoma. Em 2015, a equipe contratou o ex-presidente e CEO da Hyundai, o que indica uma movimentação em direção à comercialização.

Passos à frente, passos para trás

Embora pareça estar dando vários passos adiante, o projeto do Google teve uma boa dose de retrocessos nos últimos tempos. Por exemplo: em agosto, perdeu sua liderança técnica, Chris Urmson, que tinha trabalhado na equipe por sete anos. Pouco depois, Jiajun Zhu, principal engenheiro de software do projeto, deixou a equipe para fundar sua própria startup de robótica.

Em janeiro, dois funcionários debandaram e fundaram uma nova empresa de veículos autônomos, a Otto — que, segundo informações, passou à frente da Alphabet e andou transportando cargas pesadas da Budweiser em um caminhão autônomo.

A Alphabet, aliás, perde grandes boladas financeiras todo ano por conta de sua divisão X, que na verdade funciona como um grande laboratório de ideias mirabolantes e geringonças. Como nem tudo que imaginam por lá vira produto final, é esperado que boa parte dos investimentos caia por terra. Só para ter ideia, a cada trimestre, mais de US$ 800 milhões circulam para manter o grande laboratório de pé. No entanto, para a Alphabet, a unidade é bastante relevante, pois partirão dela os principais projetos que sustentarão os negócios da empresa no futuro.

Via Autoblog, Inc, Recode

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.