Para especialistas, seres humanos não estão preparados para os carros autônomos

Por Redação | 04.05.2016 às 09:11
photo_camera fortune.com

Aparentemente, os órgãos norte-americanos de segurança estão começando a se preocupar com o tempo livre que um motorista terá atrás do volante em carros autônomos. Após realizarem algumas pesquisas nos EUA e no Canadá, especialistas preveem que o ser humano sem nenhuma ação direta no controle do carro procurará outras formas de gastar sua energia com o veículo em movimento e que isso talvez impossibilite que o motorista tome controle, de forma rápida e eficiente, caso o sistema autônomo falhe.

Para os pesquisadores, o ser humano não está responsivamente preparado para ter um assistente na hora de dirigir. É muito provável, segundo os federalistas, que os condutores acabem por superestimar os sistemas eletrônicos e simplesmente não tenham reação para quando esses sistemas falharem ou "largarem a mão do volante". Ainda de acordo com eles, há pessoas que escovam seus dentes ou leem jornais enquanto seus carros estão no piloto automático. "A tendência a esse hábito deve só piorar; não nos surpreenderíamos se soubéssemos que o motorista de um Tesla Model S foi pego fazendo sexo enquanto seu carro ainda estava em movimento", diz um especialista canadense em segurança no trânsito nas rodovias.

Por mais incrível que pareça, é provável que os carros se tornem muito mais parecidos com aviões no futuro: esta semana, o legislativo de Ontario, no Canadá, afirmou que os carros precisam de um subsistema de segurança para quando o motorista não puder assumir o controle do veículo e que por isso eles precisarão também ter caixas pretas gravando todo o áudio e os dados do automóvel justamente como é feito numa aeronave.

Via: Slashdot