Com Maven, GM quer focar em mobilidade sem abandonar setor automotivo

Por Redação | 22 de Maio de 2017 às 14h26

O aluguel de veículos é, ao mesmo tempo, uma mão na roda e inconveniência para quem viaja. Por um lado, a ideia é de economia para quem vai usar o carro com frequência, mas de outro, temos a burocracia, os altos custos e a necessidade de deslocamento para devolução. São questões que a GM deseja resolver com o lançamento do Maven.

O serviço, que começou a operar em abril, é focado em mobilidade, mas não deixa de lado suas origens no setor automotivo. A ideia é criar uma plataforma de compartilhamento de veículos, pela qual o usuário pode alugar um carro por hora ou um dia inteiro diretamente pelo smartphone, com poucos toques na tela. Nas modalidades mais caras, o valor é de menos de US$ 100 – cerca de R$ 330 – por 24 horas de aluguel.

Além de disponibilizar modelos que vão desde luxuosos Cadillac XT5 ou Escalade até mais básicos como o Malibu ou o Cruze – e incluindo também carros elétricos como o Bolt –, outro diferencial é o sistema de coletas. O Maven trabalha com diferentes pontos de estacionamento em locais de destaque nas cidades. A ideia é que o usuário colete o veículo no mais próximo e faça a devolução também em um ponto de sua conveniência, que não precisa ser o mesmo.

A GM também pensou na segurança e apostou na tecnologia para que tudo funcione. Os veículos do Maven não têm chaves e o próprio smartphone do usuário faz o desbloqueio, usando a geolocalização para identificação. Na sequência, tudo é operado como um carro normal – e a montadora inclui até mesmo um cartão para reabastecimento, gratuito, em uma rede de postos de gasolina conveniados.

As coberturas de seguro também são feitas automaticamente. Como o Maven requer um cartão de crédito para funcionar e trabalha com um sistema de verificação manual de usuários – que pode levar de algumas horas até dois dias para ser completada – todo o processo é automático. Os utilizadores ficam responsáveis por eventuais danos de até US$ 750, cobrados automaticamente caso tenham sido de responsabilidade do condutor.

Hoje, a Maven conta com mais de 35 mil usuários em 13 cidades americanas e se prepara para seu maior desafio – Nova York. A companhia lançou sua muito antecipada operação na Grande Maçã na última semana e afirma já estar vendo os resultados positivos, não apenas na redução da quantidade de veículos nas ruas como nas aprovações por parte dos utilizadores.

A plataforma também se estende a aplicativos de transporte. O Maven tem planos especiais para quem quiser alugar um veículo para dirigir pela Uber ou Lyft ou realizar serviços de entrega, fornecendo também uma alternativa de trabalho ou complementação de renda. Os carros da plataforma são novos e se encaixam nas especificações dos serviços, bastando um cadastro especial pelos motoristas para que a parceria se inicie.

Apesar do caráter efêmero do serviço, entretanto, a GM não teme que o Maven entre no caminho de seus negócios tradicionais. De acordo com a montadora, o serviço de aluguel é um complemento aos negócios principais da companhia, além de acompanhar a visão dos clientes que, cada vez mais, enxergam veículos mais como serviço e menos como bens a serem adquiridos.

Apesar de estar em franca expansão, com presença em grandes mercados como Chicago, Washington, Los Angeles e, agora, Nova York, uma operação internacional ainda não está nos planos. A confiança nesta modalidade de negócio como uma grande possibilidade de crescimento futuro, entretanto, não deve demorar a mudar as coisas.

Fontes: Maven, CNBC