Carros autônomos podem ser aliados no combate ao crime?

Carros autônomos podem ser aliados no combate ao crime?

Por Felipe Ribeiro | 03 de Janeiro de 2021 às 09h30
Reprodução/ Fox

*Colaborou Ramon de Souza

Lançado em 2002, Minority Report – A Nova Lei não é um primor narrativo, mas apresentou um mundo distópico e futurista em que John Anderton (Tom Cruise) era um policial que resolvia assassinatos com a ajuda dos "Precogs", trigêmeos altamente capacitados e que, integrados a um sistema desenvolvido por uma empresa de Washington D.C., conseguiam auxiliar as autoridades e antecipar esses crimes.

Tudo dentro desse filme parece soar absurdo para nós em 2020, mas em 2002, quando lançado, tudo parecia ser bem verossímil, já que, dentro da história, o ano de 2054 nos traria não apenas essa inovação, mas muitas outras. Aparelhos como pen drives, projetores avançados e dispositivos mobile foram muito bem retratados na trama, mas algo chamou ainda mais atenção: os automóveis.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Altamente inteligentes, os carros da trama eram interligados por uma espécie de sistema central na cidade. Para o caso de Anderton, que era um policial, tudo parecia ainda mais funcional, exceto por um detalhe: os Precogs conseguiram prever que ele próprio cometeria um assassinato e, a partir daí, iniciou-se uma caçada para impedir esse crime.

Em meio à fuga, o automóvel de Anderton agiu sozinho, recebendo ordens dessa central e "dedurando" o fato de que ele estava em uma fuga das autoridades. Imediatamente, o carro parou seu percurso atual e começou a levá-lo de volta à delegacia, para que ele fosse preso. Claro, no filme, já sabendo desses mecanismos, o protagonista pulou fora do veículo e o resto vocês já sabem.

Por mais distópico e exagerado que isso possa parecer, hoje temos avanços consideráveis no setor automotivo, sobretudo na parte de segurança. As montadoras investem cada vez mais dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de carros autônomos com a promessa de que, em breve, não será mais necessário dirigir e correr os riscos das falhas humanas no trânsito. Mas e se esses carros um dia também agirem como os carros de Minority Report? Há muitas nuances.

Isso já está acontecendo

Na Holanda já existem testes recorrentes com o auxílio de grandes empresas, como Mercedes, Tesla e Toyota. Com o aumento da conectividade em cidades como Amsterdã, os carros, em um futuro não tão distante, poderão se conectar com a infraestrutura da cidade e administrar suas viagens conectando-se aos semáforos, postos de abastecimento e, claro, à polícia. Ainda há muito o que trabalhar, mas a ideia existe.

Como todos os veículos conectados à redes públicas, invasões podem acontecer. Portanto, antes que nossos carros sejam à prova de roubo físico, é necessário que eles também se tornem seguros virtualmente. Por isso, os sistemas de segurança autônomos precisarão ser desenvolvidos também pensando nos hackers, de modo a evitar maiores transtornos não apenas com relação ao produto, mas também à vida das pessoas.

Um carro pode ser considerado uma arma em vários níveis. Bandidos, sobretudo extremistas, podem muito bem invadir carros eletronicamente e transformá-los em carros-bomba sem a necessidade de um suicida dentro. Também há a possibilidade de que, em dado momento em uma fuga com carro autônomo, os criminosos tenham suas mãos livres para trocar tiros com a polícia.

É tudo muito doido, mas pode acontecer.

O que já existe de verdade?

Hoje os automóveis contam com sistemas de segurança semiautônomos, ou autônomos nível 2, por assim dizer. Itens como o controle de velocidade adaptativo, alertas de frenagem, sistemas de frenagem de emergência, piloto automático, auxílio de direção assistida e muitos outros já estão presentes em vários modelos no mercado, como o Volvo XC40, já avaliado pelo Canaltech.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Mas carros que estão quase atingindo um nível acima de "liberdade", como os Tesla, estão bem longe daqui e, nos Estados Unidos, ainda estão sob testes exaustivos. Então, com o que podemos contar hoje?

Carros populares no Brasil já contam com serviços de concierge ativos, como o Ford Ka e o Chevrolet Onix. Em casos de acidentes graves e sem respostas do condutor, automaticamente as autoridades de socorro são acionadas para o resgate. Isso não depende muito de ações externas, já que os sistemas independem da internet, mas, caso no futuro tenhamos os carros que agem "sozinhos", a conectividade terá de ser maior.

Será que, ao roubarem nossos carros, poderemos nós mesmos prender os bandidos com um simples comando de celular, bem parecido com o que estava acontecendo com John Anderton em Minority Report? Difícil prever, mas há um caminho para isso. Tudo vai depender dos testes e do quanto as montadoras vão querer cooperar com as autoridades.

Como entusiasta de automóveis, sempre vou preferir guiar meu carro, mesmo que a possibilidade de curtir uma viagem sem colocar as mãos no volante também possa parecer gostosa. Mas, pensando na segurança, quem sabe com uma ajudinha da tecnologia, mais roubos e assassinatos possam ser evitados?

Que venham os Precogs.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.