Trem que não para nunca poderia reduzir tempo das viagens no transporte público

Por Redação | 05 de Dezembro de 2013 às 07h45
photo_camera Divulgação

Todos os dias surgem novas tecnologias para facilitar a vida do usuário morador de grandes cidades, principalmente aqueles que usam o transporte público para se mover entre um ponto e outro da metrópole. Um dos problemas enfrentados por esses veículos é o tempo gasto em cada parada, que pode adicionar um tempo considerável na viagem dos passageiros.

E se os usuários embarcassem em um transporte que não para nunca? A ideia pode parecer confusa, já que o veículo precisa "estacionar" para que as pessoas possam subir nele. Mas os chineses pensaram em um trem com um sistema que não o obriga a parar nas estações para transportar os passageiros. Saiu na revista VICE.

O primeiro conceito desse projeto surgiu em 2010 e foi desenvolvido pelo designer chinês Chen Jianjun. Funciona assim: os usuários entram na estação e embarcam em uma cabine que aguarda a chegada do trem. Quando ele se aproxima, a cabine se fecha e é "plugada" na parte superior do trem assim que ele passar pela estação, sem que seja preciso reduzir sua velocidade. Na hora do desembarque, o processo é o inverso: assim que chegar perto da estação, a cabine se desloca até o final do trem - que continua sua viagem - e para na área da plataforma para que os passageiros possam descer.

O tempo de parada da cabine é muito maior do que o praticado por um trem convencional, permitindo que as pessoas entrem e saiam de maneira organizada e segura do compartimento. Assista ao vídeo da demonstração:

Já em 2011, um outro projeto similar ganhou destaque. Desenvolvido pela empresa de design Priestmangoode, o conceito é o mesmo: plataformas modulares que se encaixam nos trens em movimento que nunca param de andar. Neste caso, a ideia é criar um sistema ferroviário que contorne a cidade e conecte-se às cápsulas com os passageiros vindos da metrópole. Ao se aproximar do trem, a cabine cria um pequeno corredor que permite o transporte dos usuários de um compartimento para o outro.

Paul Priestman introduces Moving Platforms from Dezeen on Vimeo.

É claro que as duas ideias são apenas conceitos que sequer saíram do papel. Além de serem tecnologias muito caras, seria necessário readequar todo o sistema de transporte das cidades para esse novo mecanismo - o que levaria tempo e criação de novas infraestruturas. Fato é que ambos os projetos possuem objetivos para tornar as viagens em trens e metrôs muito mais rápida e confortável, especialmente em cidades com milhões de habitantes.

Mais próximos da nossa realidade, outros dois projetos estão em andamento no Japão e Estados Unidos. No oriente, a Central Japan Railway Co. (JR Tokai) revelou um protótipo de trem flutuante capaz de atingir velocidade máxima de 500 quilômetros por hora. Trata-se de um trem de levitação magnética que flutua sobre sua linha férrea com a ajuda de imãs super potentes. Já os norte-americanos apresentaram em agosto o Hyperloop, um veículo terrestre movido por energia solar que pode se movimentar na mesma velocidade do som.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.