Boeing se desculpa pelos cancelamentos de voos, mas a investigação continua

Por Redação | 24 de Janeiro de 2013 às 13h50

A investigação para encontrar o motivo exato da falha no Boeing 787 Dreamliner continua a todo vapor. A empresa se desculpou nesta quarta-feira (23) pelo cancelamento dos voos da aeronave, que ocorreu em todo o mundo desde a última semana.

Durante uma conferência sobre aviação que aconteceu em Dublin, o engenheiro-chefe de projetos do programa Boeing 787, Mike Sinnett, falou à Reuters que a empresa se mantém confiante na segurança de sua aeronave, mas também alegou que não pode comentar a respeito do cronograma da investigação.

"A NTSB (National Transportation Safety Board) é realmente a única autoridade autorizada nos EUA a falar sobre essa investigação; ela fez algumas declarações recentemente, mas não posso especular sobre o cronograma", explica o engenheiro.

Ele ainda diz que o comprometimento com os clientes da companhia continua o mesmo, e que pretendem resolver o problema com o Boeing 787 o mais rápido possível e reduzir "tanto quanto possível a quantidade de interrupções".

O secretário de Transportes dos Estados Unidos, Ray LaHood, também disse nessa quarta-feira que o objetivo é colocar o 787 de volta no ar o mais rápido possível, mas que o governo não vai apressar essa volta caso não haja uma conclusão e resolução dos problemas apresentados.

Enquanto isso, uma empresa aérea chinesa, cliente da Boeing, já enfrenta problemas com a incerteza sobre a produção do Dreamliner, e a alteração na programação de entrega significa atrasos no lançamento de novas rotas.

"Francamente, é um pouco decepcionante a aeronave ser adiada tantas vezes", disse Chen Feng, presidente da Hainan Airlines durante uma entrevista à Reuters no Fórum Mundial de Economia. "Ainda acho que é uma boa aeronave, mas isso teve alguns efeitos sobre o nosso planejamento". A Hainan tem 10 aviões encomendados com a Boeing.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.