Reajuste de 3,5% é rejeitado por trabalhadores de TI em SP

Por Redação | 11.01.2017 às 18:06
photo_camera dotshock

O Sindpd, Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo, rejeitou a proposta de reajuste salarial de 3,5%, apresentada pelo Seprosp (Sindicato das Empresas em Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo), durante a primeira rodada de negociações da Campanha Salarial 2017 dos trabalhadores de TI de São Paulo.

O Sindpd afirmou, em nota, que o setor patronal apresentou uma contraproposta salarial que inclui também um abono de 10%, a ser pago em outubro, e que ficou abaixo da demanda requerida pelo sindicato dos trabalhadores de TI. Ele pleiteia o acumulado do INPC de 2016, acrescido de 3% de aumento real.

De acordo com Antonio Neto, presidente do Sindpd, um reajuste salarial que cobre apenas a metade da inflação de 2016, apresentado pelo setor patronal, acaba por propor uma redução de salário dos trabalhadores, algo que para ele é inadmissível.

Outras demandas foram divulgadas pelo sindicato dos trabalhadores, constando de tópicos como a redução da jornada de trabalho de 40 horas para 30 horas semanais, o pagamento de vale-alimentação, o custeio integral do plano médico e a ampliação no valor das horas extras. Estas também foram rejeitadas pelo Seprosp.

O Sindpd afirma que o sindicato patronal ainda propôs reduzir o valor da multa paga pelas empresas quando ocorrem atrasos salariais, mudanças nas negociações que envolvem o pagamento da PLR (Participação nos Lucros e/ou Resultados), descontos no pagamento do vale-refeição e alterações no custeio da assistência médica.

A primeira rodada da Campanha Salarial 2017 ocorreu nesta terça (10), na sede do Seprosp, em São Paulo (SP). Como ainda não houve nenhum acordo, um novo encontro foi marcado para o dia 19 de janeiro, às 15h, mas na sede do Sindpd, na capital paulista.

Via Convergência Digital