Funcionários querem trabalho remoto e horários flexíveis, mostra pesquisa

Por Redação | 16.07.2015 às 12:30

A tecnologia tem possibilitado algumas alterações bastante interessantes nas rotinas dos mais variados profissionais. Ser feliz em sua profissão é uma das coisas mais desejadas pelos trabalhadores que responderam a uma pesquisa da Ericsson, a "Flexibilidade na vida profissional". O estudo mostra que os profissionais atuais estão procurando fazer o que gostam, enquanto progridem profissionalmente e cumprem suas obrigações. Para esses profissionais, a capacidade de trabalhar remotamente e em horários flexíveis possibilita uma melhor qualidade de vida.

A pesquisa produzida pelo ConsumerLab mostra que os funcionários de países em desenvolvimento, como China, México e Brasil, estão realizando maior número de downloads de novos aplicativos, comparados aos países desenvolvidos. Segundo André Gualda, especialista da área ConsumerLab da Ericsson na América Latina, "os estudo mostrou que os profissionais de hoje valorizam uma vida equilibrada, onde o trabalho se adequa aos seus horários, e não valorizam tanto o status social e crescimento rápido, como ocorria nos últimos anos".

No Brasil, de acordo com a pesquisa, mais de 50% dos profissionais acreditam que ter mobilidade na carga horária é de suma importância no mercado de trabalho. Cerca de 57% dos brasileiros afirmam utilizar seus próprios aparelhos celulares para trabalhar. Os entrevistados brasileiros usam cerca de 33% do seu tempo em seus celulares para tratar de assuntos profissionais.

Apesar de muitos afirmarem que utilizam os seus dispositivos para o trabalho, cerca de 28% disseram que acessam as redes sociais no horário do expediente e 15% fazem compras online. Isso demonstra que há uma forte interligação entre atividades profissionais e pessoais no ambiente de trabalho. "Cada vez mais as pessoas conseguem fazer atividades profissionais em casa e atividades pessoais no trabalho. Esse mix de atividades e a liberdade de atuação contribuem para o aumento da satisfação dos trabalhadores, em que a tecnologia é usada a favor, como uma ferramenta facilitadora", afirma Gualda.

O objetivo do estudo foi descobrir quais são as atitudes das pessoas em relação às condições de trabalho flexíveis e como elas conseguem administrar isso. A pesquisa foi realizada em 23 países no mundo todo, incluindo seis na América Latina: El Salvador, Brasil, México, Bolívia, Argentina e Uruguai. As opiniões de mais de 47 mil entrevistados foram levadas em conta para a formação de uma perspectiva profissional.