Como ser inovador e prever tendências

Divulgação

Por Alessandro Berio*

Inovar deixou de ser um diferencial e hoje é um pré-requisito principalmente para quem está abrindo um novo negócio. Em um mundo onde as mudanças são constantes e a concorrência é grande, a necessidade de estar um passo à frente é cada vez maior. Nesse sentido, se diferencia aquele profissional que consegue prever tendências e antecipar que tipo de novidades o consumidor está esperando.

Ainda que ninguém tenha superpoderes para adivinhar qual será a próxima moda, existem algumas estratégias que podem ser tomadas para aprimorar essa habilidade. Apesar do paradoxo, o grande segredo para identificar o que há no futuro é estudar o passado e, principalmente, o presente. Isso porque pode existir um padrão que seja replicável ao futuro.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Assim, quem deseja adquirir essa habilidade precisa estar totalmente antenado no que está acontecendo no seu mercado, entender o que é possível fazer dentro daquele nicho que ainda não foi feito. Aliás, não basta apenas enxergar o momento, é preciso compreender porque as coisas estão como estão e que fatos anteriores justificam o presente.

Só assim será possível encontrar soluções realmente criativas, que tragam um benefício tangível e resolvam um problema real na vida das pessoas. Como exposto no livro clássico sobre o assunto, "The Innovator's Dilemma" de Clayton Christensen, não basta para um iniciante num mercado maduro trazer uma inovação pequena como diferencial. Para competir com os players estabelecidos, a startup tem que trazer uma inovação dez vezes melhor do que o que já existe. Os exemplos clássicos são os CD X MP3, telefones X celulares, livrarias X Amazon e mais recentemente táxis X Ubers ou hotéis X AirBnb.

Se colocar no lugar do cliente é outro exercício fundamental para antecipar tendências. Por mais que pareça simples, são poucos que conseguem ter esse poder de empatia. Não se trata apenas de imaginar o que as pessoas querem, mas desprover-se das suas certezas, fazer pesquisas de mercado e, principalmente, ouvir o consumidor. Neste sentido, a inovação também é um processo de experimentação e iteração. É preciso desbravar e arriscar para descobrir e conhecer novas experiências de usuários. Isso normalmente toma muito tempo e recursos.

Ser extremamente incomodado é outro passo importante para criar inovação. Quem nunca está satisfeito com o próprio produto ou serviço tende a querer sempre aprimorá-lo e, com isso, identifica possíveis melhorias antes mesmo de chegar uma demanda ou reclamação de seus clientes.

No entanto, de nada adianta enxergar onde estão as oportunidades e não saber o que fazer com essa informação. É preciso ter agilidade e precisão para transformar grandes insights em realidade. Se prever o próximo passo não é nada fácil, dar esse passo sem se desequilibrar é ainda mais complicado.

Ainda assim, é um desafio que vale à pena ser perseguido. Hoje, as empresas realmente inovadoras não são as que seguem tendências, mas as que criam novas propostas de valor e por isso se diferenciam e viram referências. Lembre-se que a inovação pode vir fora de seu mercado de atuação, seja na arte, no dia a dia, nas conversas, ou até nas observações dos problemas alheios. Portanto, vale à pena abrir os olhos, se questionar e estudar a fundo o mundo a sua volta. Quem sabe você não possa propor a próxima tendência do mercado?

*Alessandro Berio é CEO e fundador da Thinkr, rede social focada em emoções com mais de 300 mil downloads. É fundador também do aplicativo Punch, que transforma o celular em um wakie-talkie.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.