CEOs de startups revelam o que perguntam primeiro em entrevistas de emprego

Por Redação

Participar de uma entrevista de emprego é quase sempre um momento de tensão para qualquer candidato, ainda mais se o entrevistador for o presidente ou CEO da companhia. Se o nervosismo tomar conta, o candidato pode se sentir ansioso e acabar não tendo a mente tranquila para responder às perguntas da maneira que gostaria, mas tentar entender melhor o que se passa na mente do entrevistador pode ajudar a acalmar um pouco os ânimos nesse momento delicado. Por outro lado, é comum que novos empresários tenham dificuldades nesse processo, e acabem não sabendo muito bem o que questionar ao candidato para avaliá-lo da melhor forma.

O site Entrepreneur elabora uma lista anual com as 360 melhores companhias onde se trabalhar nos Estados Unidos, e seus especialistas em mercado de trabalho selecionaram algumas startups bem sucedidas para saber de seus CEOs qual é a primeira pergunta que eles costumam fazer aos candidatos em entrevistas de emprego, e aqui vão algumas:

“Se você não precisasse trabalhar, por que viria ao escritório?”

Essa é a primeira pergunta feita por Gautam Gupta, cofundador da NatureBox — que envia pacotes mensais de comidinhas saudáveis aos assinantes do serviço. Ele explica que faz essa pergunta “para entender as motivações da pessoa e seus interesses”. A partir dessa resposta, Gupta também tenta entender para que rumo o candidato deseja levar sua carreira e como a NatureBox se encaixa nesses planos.

entrevista de emprego

“Quais são seus objetivos profissionais entre os próximos 3 a 5 anos?”

Matt Straz, CEO da Namely — uma plataforma em nuvem que fornece soluções de recursos humanos para empresas — opta por essa saída mais tradicional, já que essa pergunta é bastante comum entre entrevistadores. Straz acredita que as novas gerações se mantém por menos tempo em trabalhos fixos, em comparação às gerações mais velhas, e que essas respostas servem para que ele entenda quem são os candidatos que têm planos mais firmes para o futuro. “Nós investimos no desenvolvimento do funcionário para mantê-lo motivado a realizar grandes feitos”, disse o executivo.

“Por que você faz o que faz?”

É o que o CEO da Contently, Joe Coleman, gosta de perguntar de imediato aos entrevistados em sua companhia, que ajuda outras empresas a administrar seus negócios. O motivo? O executivo disse que somente quer conhecer melhor os candidatos. “Tento entender por que eles fazem o que fazem, seu histórico, e o que os motiva. No final das contas, é muito importante contratar pessoas que contribuem para nossa cultura de uma maneira positiva”, disse Coleman.

“Eu não faço perguntas, eu converso com eles”

Foi o que respondeu Jamis Siminoff, CEO da Ring — serviço que permite atender à campainha por meio de um smartphone estando em qualquer lugar, mesmo fora de casa. Siminoff disse que gosta de entender o candidato socialmente, descobrir quais são seus interesses e ver se eles se encaixam na cultura da empresa. “Acredito que fazer perguntas típicas de entrevistas pode ser algo como um jogo, mas a interação social é muito mais difícil para alguém ensaiar”, disse o CEO.

entrevista de emprego

“Conte-me um resumo sobre sua vida”

Essa pergunta de difícil resposta é a escolhida por Gabriel Weinberg, fundador e CEO do DuckDuckGo — ferramenta de busca focada na privacidade do usuário e que não monitora suas pesquisas. O empresário crê que essa resposta revela como os entrevistados se enxergam e o que é importante para eles. “Suas respostas podem ser usadas como um guia para o resto da conversa”, explicou.

“Se você ganhasse 1 milhão de dólares por ano até o fim da sua vida, o que você faria?”

Depois disso, o cofundador e CEO da SoapBox Soaps, David Simnick, continua repetindo a mesma pergunta “Ok, e depois disso, o que você faria?” até que o candidato não consiga pensar em mais nada que gostaria de fazer. Essa sequência matadora de perguntas é de deixar qualquer candidato sem saber o que responder, pois pode parecer uma pegadinha. No entanto, a verdade é que o executivo dessa startup, que fabrica sabonetes artesanais com ingredientes naturais e doa produtos a crianças necessitadas, deseja saber exatamente quais os desejos mais sinceros que o entrevistado tem para sua vida. “Normalmente a última resposta mostra o que a pessoa realmente quer pra si e me diz o que é mais valioso para eles. Isso me ajuda a entender suas motivações”, disse Simnick.

Fonte: Entrepreneur