Profissionais de TI de São Paulo pedem ajuste salarial de 10% para 2014

Por Redação | 17.12.2013 às 16:06

Profissionais de Tecnologia da Informação (TI) do Estado de São Paulo se reuniram em assembleia no último sábado (14) para pedir reajuste salarial de 10% para o próximo ano. A pauta aprovada pela categoria também pede obrigatoriedade de proposta de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e de vale-refeição (VR) para todas as empresas do setor. Saiu na INFO.

O principal argumento para validar o reajuste é o crescimento contínuo do setor. Como o mercado de TI aumentou 10% em um ano, os funcionários decidiram que um reajuste de 10% é o valor mais justo para 2014. A mudança dos pisos salariais também será uma das principais exigências na negociação, cuja proposta prevê reajuste de 12%.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em TI do Estado paulista, cerca de mil trabalhadores participaram das 12 assembleias em 2013, sendo que, no total, 14 cláusulas foram modificadas e três foram acrescentadas. As reivindicações de PLR e VR já foram alteradas neste ano, quando até então apenas empresas com mais de 50 funcionários precisavam apresentar proposta de PLR – o VR era obrigatório para profissionais com jornada de oito horas em organizações com mais de 100 empregados.

Com as mudanças, o PLR agora vale para companhias com mais de 40 funcionários e o VR para empresas com mais de 50, mas a expectativa da causa é que os benefícios sejam ampliados independente do número de trabalhadores. Além disso, os profissionais da categoria esperam conquistar subsídio para cursos de especialização e pós-graduação que aprimorem os conhecimentos usados nas atividades desenvolvidas nas empresas.

“É importante criar pisos de acordo com a função realizada para garantir a linearidade do mercado e reduzir a rotatividade, que é maior na faixa que possui menor remuneração e qualificação”, disse o presidente do Sindicato, Antonio Neto. Ele também afirmou em nota que os valores de cursos de especialização na área não condizem com a remuneração do profissional.

A pauta será entregue ao sindicato patronal da categoria, e a negociação entre as entidades começa em janeiro. "Vamos para a mesa de negociação para consolidar e ampliar os direitos e benefícios dos trabalhadores de TI. O setor continua crescendo e isso precisa retornar aos profissionais como melhorias nas condições de trabalho e remuneração", disse Neto.