Como evitar um déficit nas habilidades de TI

Por Colaborador externo | 16.10.2014 às 13:00

Por Don Jacob*

Se o setor de TI deseja evitar um déficit potencial de competências no futuro, os profissionais formados na área precisam de habilidades mais genéricas e experiência prática para lidar com a complexidade cada vez maior das redes, alimentada por um contínuo investimento em infraestrutura de banda larga. Confirmei essa opinião ao analisar os resultados de uma pesquisa que minha empresa, a SolarWinds, realizou entre profissionais de TI do Brasil. Segundo a pesquisa, apenas 12 por cento disse se sentir suficientemente instruído e preparado para o papel exercido na área de TI.

Além disso, mais de 30 por cento dos participantes definiu o estado atual da TI como uma parceria mais ampla com a empresa, mais do que qualquer outro fator de tecnologia ou tendência, e todos os profissionais de TI disseram ter, até certo ponto, a oportunidade de influenciar decisões comerciais. Isso sugere que os profissionais de TI de hoje estão cada vez mais ultrapassando os limites da sala dos servidores para obter resultados em toda a organização e que um déficit de competências ou o treinamento insuficiente em TI entre os profissionais poderia impedir esse progresso.

Com habilidades de TI ainda dominando as conversas sobre negócios e tecnologia no Brasil, precisamos reconhecer que simplesmente aumentar o número de profissionais formados ou terceirizar funções técnicas não daria conta dos desafios fundamentais enfrentados por nosso setor. Líderes e educadores em tecnologia precisam adotar uma abordagem mais prática e a longo prazo de treinamento e aprendizado se quiserem preparar as pessoas para a complexidade e a interconexão do ecossistema de TI que teremos no futuro.

Os setores de ensino superior e de TI devem trabalhar em conjunto para oferecer o equilíbrio certo entre conhecimento teórico e prático para gerenciar e capitalizar com eficácia as rápidas mudanças tecnológicas. As empresas também devem investir de forma mais agressiva em treinamento de pessoa para preparar a força de trabalho de TI para a complexidade cada vez maior das redes corporativas.

É claro que, muitas vezes, isso pode ter um preço elevado, e esse preço pode ser demasiado alto para as pequenas e médias empresas. É aqui que grupos de usuários dos fornecedores podem ajudar a aliviar essa carga, oferecendo conselhos práticos sobre o uso de seus produtos e/ou serviços, geralmente sem despesas por parte do indivíduo ou da organização que recebe a ajuda.

Muitos dos principais fornecedores de TI, como IBM, Microsoft e Cisco, têm seus próprios grupos de usuários exclusivos, que podem ser uma fonte valiosa de informações e um grupo de parceiros no setor prontos para responder a qualquer pergunta que você possa ter. Na SolarWinds, também temos nosso próprio grupo de usuários, chamado thwack, em que os profissionais de TI (clientes ou não da SolarWinds) podem fazer perguntas sobre os desafios na área de TI e obter respostas imediatas e testadas pelos usuários para ajudá-los a resolver problemas.

Outro problema que os profissionais formados em TI enfrentam atualmente é que muitas das vagas de trabalho iniciais que costumavam estar disponíveis desapareceram com a terceirização de funções por organizações. Portanto, é mais do que essencial que as instituições de ensino superior forneçam aos alunos uma combinação de habilidades técnicas e visão comercial, a fim de oferecer um maior valor para os empregadores em potencial. Além disso, os programas de pós-graduação e os estágios oferecem uma oportunidade para que as pessoas obtenham experiência prática para ajudar na obtenção de um cargo em tempo integral.

É impossível prever com precisão quais fatores mais contribuirão para a complexidade da rede no futuro, mas uma combinação de habilidades básicas e formação contínua colocará a próxima geração de talentos de TI em uma boa posição para enfrentar qualquer desafio. O que sabemos é que as principais tendências de TI, como a virtualização e a lógica BYOD, combinadas com investimentos contínuos em infraestrutura de banda larga super-rápida, são as causas principais da crescente complexidade da rede hoje.

Para lidar com infraestruturas de rede cada vez mais complexas, empresas e educadores precisam investir em habilidades genéricas de TI que possam ser adaptadas a qualquer nova tendência ou desafio, acompanhando a queda da demanda por conhecimentos especializados. Somente ao estimular essas habilidades polivalentes, e complementá-las com treinamento contínuo e ferramentas adaptáveis e modulares, é que a comunidade brasileira de negócios se posicionará para o sucesso em um ambiente de TI cada vez mais complexo.

*Don Jacob é Geek Chefe da SolarWinds, empresa de softwares de gerenciamento de TI com sede em Austin, Texas.