Carreira: a cilada dos sonhos dos outros

Por Colaborador externo | 27.03.2014 às 09:40
photo_camera Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Por Célio Antunes*

Uma das dúvidas mais comuns refere-se à carreira para seguir. Mesmo em um cenário com informação abrangente e de fácil acesso, a maioria dos jovens ainda cede às pressões de familiares e conhecidos e opta por uma profissão que agradará a outras pessoas e não ao próprio indivíduo.

A pressão externa não pode permitir que o estudante cometa o erro de trabalhar em algo que não lhe agrada. A escolha precisa partir dele mesmo, com seus interesses, preferências e o próprio planejamento de vida. O importante é achar uma determinada área que seja mais adequada ao perfil e ignorar os comentários pessimistas de quem acha o contrário. A busca pelo sucesso pode culminar em decisões erradas.

Ainda há o próprio desejo dos pais de verem os herdeiros seguirem determinadas profissões. Segundo pesquisa do LinkedIn, medicina e o ramo empresarial empatam na preferência com 35% cada. A área financeira, com 23%, e advocacia e desenvolvedor de tecnologia (19% cada) também encabeçam a lista. A influência é grande, pois muitos filhos se espelham na história de sucesso dos progenitores. Entretanto, o sucesso não é genético.

Mas nem sempre essa é a vontade do jovem. Os números refletem o resultado de escolhas erradas no início da caminhada: alguns desistem ainda no período universitário (21%, segundo censo do INEP) enquanto que metade dos profissionais brasileiros (50,2% em uma pesquisa da Catho) está disposta a mudar de carreira em 2014.

Para evitar a perda de tempo e investimento, é importante ter em mente duas coisas: primeiro, é preciso identificar seu próprio perfil e suas áreas de interesse; depois, é necessário pesquisar para saber o que elas podem oferecer a curto, médio e longo prazo.

A carreira toma grande parte do nosso tempo na vida adulta e, por conta disso, é imprescindível que estejamos motivados. Um profissional infeliz não consegue crescer, enquanto que a felicidade garante uma boa base para o sucesso. Não importa se o desejo for contra as preferências de familiares e amigos. Nesses casos, o mais importante é seguir o seu coração.

*Célio Antunes é fundador e presidente do Grupo Educacional Impacta