Brasil deve ter a maior taxa de expansão no mercado de TI em 2013

Por Redação | 22.08.2013 às 15:00

Em novo estudo, a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) estima que a indústria brasileira de TI deve ter a maior taxa de expansão ao longo de 2013. Isso seria devido principalmente aos investimentos no setor para os próximos eventos esportivos que o país irá sediar, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, e também pela exploração do pré-sal.

Jorge Sukarie, presidente da Abes, afirmou à agência de notícias Reuters que a previsão da associação é para que o faturamento no setor suba 14,5% neste ano, fechando em US$ 69 bilhões (R$ 166,6 bilhões). Em 2012, o Brasil apresentou crescimento de 10,9% no comparativo com o ano anterior, movimentando US$ 60,2 bilhões (R$ 145 bilhões), enquanto a média global de crescimento em TI foi de 5,9% no último ano.

Quando falamos em termos absolutos, o Brasil ficou, no ano passado, em sétimo lugar no ranking mundial de investimentos em tecnologia da informação, atrás dos Estados Unidos com US$ 638 bilhões (R$ 1,54 trilhão), China com US$ 173 bilhões (R$ 417 bilhões), Japão com US$ 172 bilhões (R$ 415 bilhões), Reino Unido com US$ 110 bilhões (R$ 265 bilhões), Alemanha com US$ 101 bilhões (R$ 243 bilhões) e França com US$ 76 bilhões (R$ 183 bilhões).

Em 2012, a maior parte do faturamento de TI no país foi proveniente do setor de hardware, movimentando US$ 35,3 bilhões (R$ 85 bilhões), seguido de perto pelo setor de serviços com US$ 15,4 bilhões (R$ 37 bilhões) e por software, com movimentação de US$ 9,4 bilhões (R$ 22,7 bilhões) no período. "Esperamos que esta proporção mude. A tendência é que os segmentos de software e serviços ultrapassem a barreira de 50% [do faturamento] até 2020", disse Sukarie à Reuters. "O grau de maturidade da indústria de um país se mede quando este consegue fazer que os investimentos em software aumentem, porque a inteligência que move a inovação está mais no software".

De acordo com o presidente da Abes, a fatia maior no mercado de TI que o hardware detém se deve principalmente à recente aceleração das vendas de dispositivos, como smartphones e tablets. A associação também acredita que a indústria de TI que terá maior expansão neste ano, depois do Brasil, será a da China, com aumento de cerca de 14%.