4º Prêmio Canaltech | A Kingston mostra a sua força ao falarmos de armazenamento

Por Redação | 05 de Abril de 2021 às 18h25
Reprodução/ Kingston/ YouTube
Tudo sobre

Kingston

Saiba tudo sobre Kingston

Ver mais

A pandemia da Covid-19 massificou o home office em boa parte das empresas no Brasil e no mundo. E com esse novo regime de trabalho veio também uma alta demanda do público por novos PCs, entre notebooks e desktops. Segundo um levantamento da consultoria de mercado IDC, as remessas de PCs cresceram em 2019 e dispararam a partir do segundo trimestre do ano passado. De forma geral, elas chegaram a 302,6 milhões de unidades em 2020, um crescimento de 13,1% sobre o ano passado - e que superou a expectativa dos analistas, que esperavam algo em torno de 300 milhões de equipamentos.

E junto ao aumento de PCs, a demanda por memórias mais rápidas cresceu junto. E o grande destaque ficou por conta das unidades de Solid State Drive - ou SSD para os íntimos. Elas permitem não apenas leitura e transferência mais rápidas de dados, mas também a inicialização (bem) mais veloz dos sistemas operacionais nos computadores, bem como a abertura e execução de programas. Ainda que a presença de uma memória SSD encareça o valor final de um notebook ou desktop, o fato é que a sua popularização vem fazendo com que seu preço caia e, em breve, podemos dizer que os tradicionais HDs serão peças de museu.

E uma das empresas que melhor vem aproveitando essa alta demanda por novos PCs é a Kingston, sendo que suas memórias estão entre as preferidas do público brasileiro. Tanto que a marca ganhou a 4ª edição Prêmio Canaltech - a mais importante premiação do mercado de Tecnologia do Brasil - na categoria "Marca mais desejada", mais precisamente na modalidade "Armazenamento".

A Kingston conquistou 31,99% dos votos e terminou a disputa com boa vantagem sobre a Samsung, segunda colocada com 21,92%, e a SanDisk, que ficou em terceiro lugar com 21,86% dos votos. E para explicar melhor o sucesso da marca, o Canaltech conversou com Paulo Vizaco, country manager da Kingston para o Brasil.

Paulo Vizaco, country manager da Kington (Imagem: Divulgação / Kingston)

Confira como foi o papo:

Canaltech - 2020 foi um ano atípico, principalmente devido à pandemia. Como a Kingston atuou para atender a alta demanda de usuários e empresas pelos seus produtos ao longo desse período?

Paulo Vizaco: Precisamos nos adaptar constantemente aos desafios que surgiram e continuam surgindo por conta da pandemia. Trabalhamos focados para garantir a disponibilidade das melhores soluções, tanto em nossos distribuidores, como nos varejistas. Eu diria que foi e é um trabalho diário, contando com desafios de logística, por exemplo, entre vários outros, comuns a todos os trabalhadores que vivem numa situação desafiadora e incerta como esta.

Seguimos também entregando conteúdo e informação para o nosso cliente final, que é bastante exigente e gosta de entender a fundo os motivos da Kingston ser a melhor marca em armazenamento e memória. Estamos sempre atentos às necessidades e momentos dos nossos clientes.

CT - Quais foram os produtos da Kingston que mais se destacaram ao longo de 2020? O que foi mais buscado pelo público final?

P.V.: As linhas de SSD e memórias com certeza foram um destaque. Muitas pessoas e empresas precisaram dar um upgrade em suas máquinas para suportar da melhor maneira possível o home office, o homeschooling e todas as atividades que passaram a ser online.

Nossas linhas de armazenamento, como nosso vasto lineup de pendrives e SSDs, também: é preciso rever como guardar, organizar, preservar e trocar informação. A Kingston está sempre focada em soluções que garantam a melhor usabilidade e a melhor confiabilidade.

Memórias e unidades de armazenamento da Kingston (Imagem: Divulgação/Kingston)


CT - Além do público final, que tecnologias / produtos da Kingston foram mais buscadas pelas empresas ao longo de 2020? Quais se destacaram e que se tornarão padrão nos próximos anos?

P.V.: As empresas já sabem a vantagem de ter SSDs em seus servidores e suas máquinas e a Kingston oferece uma vasta gama de SSDs para Data Centers, nos formatos SATA, M.2 e U.2. Esse produto é perfeito para ambientes com grandes cargas de trabalho, virtualização e serviço nuvem de alto desempenho, entre outros.

Externamente, esse produto é muito parecido com um SSD de consumidor e foi desenvolvido para aumentar a velocidade e a capacidade de armazenamento de um servidor. Deste modo, o servidor poderá processar uma capacidade maior de dados e acessos simultâneos, garantindo uma experiencia com total fluidez. Além de ser extremamente rápido, esse produto possui algumas tecnologias a nível de hardware para garantir a segurança das informações que serão armazenadas e transitadas.

Essas tecnologias vão desde a compatibilidade com os protocolos de segurança mais conhecidos do mercado até a proteção PLP, que reduz a possibilidade de perda ou corrupção de dados em caso de desligamento indesejado.

CT - E para 2021, como se dará a evolução da Kingston? Você pode adiantar alguma novidade que a empresa prepara para este ano em termos de produtos ou serviços?

P.V.: A Kingston é uma empresa de 34 anos que não parou um dia sequer de pesquisar, desenvolver e projetar soluções ainda melhores para empresas e clientes finais. Este ano não será diferente. Colhemos aprendizados em 2020, e estamos mais preparados para encarar os desafios de 2021, que não vão acabar tão cedo.

A Kingston seguirá trabalhando para manter os estoques abastecidos, nosso Tech Suporte segue a todo vapor atendendo aos clientes e empresas, e traremos os lançamentos globais para o Brasil a partir do segundo trimestre.

Leia também:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.