Campus Party: Viber anuncia ínicio de suas operações no mercado brasileiro

Por Pedro Cipoli | 30 de Janeiro de 2014 às 15h13
Tudo sobre

Opera

O CEO do Viber, Talmon Marco, anunciou hoje o início de suas operações no mercado brasileiro. Para quem ainda não conhece o Viber, imagine um aplicativo que é uma fusão entre o WhatsApp e o Skype, sendo totalmente gratuito e livre de propagandas. Ele está disponível para Android, iPhone, Windows Phone (7.8 e 8), BlackBerry e Bada, além de ter versões para Windows, Linux e Mac OS X.

Viber

Talmon Marco fala sobre o Viber no Brasil (Foto: Pedro Cipoli/Canaltech)

Contando com mais de 300 milhões de usuários em todo o mundo, dos quais 10 milhões estão no Brasil, o Viber espera conseguir uma boa parcela de mercado por aqui. A proposta é atraente, já que os recursos básicos são totalmente gratuitos e ele inclui um serviço de VoIP conhecido como ViberOut, algo ausente no WhatsApp, seu principal concorrente.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

A empresa não fez nenhum investimento em propagandear o Viber por aqui por acreditar que esse não é o caminho certo, o que faz sentido, considerado que o Line fez uma série de anúncios na televisão e não conseguiu alcançar uma parcela de mercado considervável no Brasil. Mesmo sem anúncios nos principais meios de comunicação, o Viber ganha cerca de 700.000 usuários por dia, um número bastante considervável.

O início das operações incluirá apenas 3 funcionários por aqui, número que poderá ser ajustado conforme a demanda. A equipe de desenvolvimento fica em Israel, Amsterdã e Bielorrússia, utilizando servidores Amazon para gerenciar as mensagens e servidores locais para chamadas VoIP, como o ViberOut.

Embora o app seja totalmente gratuito para todas as plataformas, há itens que podem ser adquiridos dentro do Viber, como emoticons personalizados, jogos e créditos para chamadas de telefone. Talmon Marco garante que o preço é 50% menor do que o cobrado pelo Skype, sendo estas as formas de rentabilização do aplicativo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.