Lytro Illum, a nova geração de câmeras que ajustam o foco quando você quiser

Por Redação | 23.04.2014 às 09:48 - atualizado em 24.04.2014 às 11:35
photo_camera Divulgação

É comum lermos notícias de como as câmeras fotográficas estão entrando para a lista de objetos ultrapassados. Parte disso é graças aos smartphones, que adquiriram funções tão boas ou melhores quanto as máquinas digitais de mão - basta olhar exemplos como o Nokia PureView e sua câmera de 40 megapixels. No entanto, tudo indica que o mercado de máquinas fotográficas está longe de chegar ao fim e a prova disso surgiu há pouco mais de dois anos com a chegada da Lytro.

A Lytro é uma câmera diferente das outras porque captura todos os focos possíveis de uma imagem e permite que o usuário escolha o que achar melhor depois dela ter sido tirada. Agora, o que era bom ficou ainda melhor, pois acaba de ser anunciada a segunda geração do aparelho, batizada de Illum. Diferente do primeiro modelo, que era menor e mais compacto, os novos dispositivos se encaixam na categoria profissional e se destacam principalmente pelo uso da tecnologia "campo de luz".

De acordo com o pessoal do Gizmodo, o campo de luz concentra todos os raios de luz que passam por um determinado espaço. Ao capturar esse espaço, a Lytro obtém todos os possíveis focos da imagem graças a um sistema que mede as imagens em "megarraios" (milhões de raios de luz) em vez de megapixels. Dessa forma, o acessório permite registrar cenas com mais cor, intensidade e nitidez mesmo em distâncias curtas.

A Lytro Illum possui um sensor de 40 megarraios - cerca dos 4 megapixels convencionais -, zoom óptico de 8 vezes de aproximação, obturador de alta velocidade e uma lente com 13 diferentes peças de vidro. Todo o software da câmera é baseado em Android e vem com um "poder de computação encontrado em tablets" que, segundo Ren Ng, fundador da Lytro, é 2.000 vezes maior do que o primeiro modelo. "Você não pode fazer essas fotos sem um computador", complementa o executivo.

Um dos grandes diferenciais da Illum para as demais câmeras do mercado é a qualidade de imagem. Quem testou o aparelho afirma que a resolução chega a níveis impressionantes, especialmente quando as fotos são vistas pelo app da Lytro e um tablet. Nesse caso, o usuário pode visualizar as imagens pela função paralaxe, que faz a fotografia acompanhar seus movimentos com o dedo. Não é preciso ativar nada manualmente porque todo o processo é automático. O recurso é ainda mais eficaz se a tela tiver suporte ao 3D, pois as fotos podem ser vistas em três dimensões sem precisar de conversão.

O pós-ajuste de foco da Lytro original continua presente na nova geração. A lente possui um anel de foco e um anel de zoom, mas o sensor recolhe informações visuais suficientes para que o fotógrafo possa fazer os ajustes que achar necessário quando quiser. O foco também pode ser modificado pelo painel sensível ao toque da câmera.

É claro que um produto tão inovador não sai barato. A Lytro Illum será vendida a partir de julho pelo preço sugerido de US$ 1.600 (cerca de R$ 3.600 na cotação atual). Talvez o valor seja elevado demais para fotógrafos amadores ou usuários comuns, mas certamente é um aparelho que merece atenção do mercado fotográfico e empresas de tecnologia interessadas em aprimorar as suas câmeras.