WMS: alavancando os valores agregados de um armazém

Por Colaborador externo | 30 de Setembro de 2014 às 16h50
photo_camera shutterstock

por Eduardo de Souza Canal*

Dentro do universo do inventário, podemos considerar dois tipos: o “Inventário Geral” e o “Inventário Cíclico”. O Inventário Geral é uma prática comum entre as empresas, com o principal objetivo de elaborar o demonstrativo financeiro. O Inventário Cíclico tem por objetivo validar e ajustar posições e saldo de produtos de forma aleatória, pois muitas vezes as empresas adotam como critério de seleção a classificação da curva ABC, medida esta que possibilita medir a importância do item em estoque em relação à movimentação. Do ponto de vista estatístico, a mercadoria que mais movimenta em estoque (curva A), tem a maior probabilidade de conter erros/ furos no estoque.

E como o WMS (Warehouse Management System), solução que participa de forma ativa da gestão do inventário, pode auxiliar na execução desta tarefa de forma eficaz e segura? O benefício desta ferramenta começa na escolha dos produtos a serem inventariados de acordo com a espécie abrangência do inventário, ou seja, se ele está gerenciando o estoque de um Depositante, Grupo de Produto, Produto, Categoria, Público Alvo e Geral.

O próximo passo é validar se existe alguma pendência de processo no momento da abertura do inventário e acompanhar as contagens através de Painéis de Gerenciamento da solução, no qual se visualiza a situação das contagens de Gráficos de Acompanhamento de Inventário, ambiente em que o sistema mantém atualizados os gráficos do processo, mostrando de forma visual cada porcentagem de etiquetas e endereços contados ou não contados, em primeira e/ou segunda e/ou terceira contagem, endereços em divergências e endereços já finalizados, facilitando assim a visualização macro do processo como um todo.

Quando se libera o inventário para se iniciar a contagem, os endereços pertencentes ao inventário são bloqueados automaticamente e a conclusão do inventário e os endereços são liberados novamente. Quando existem produtos de mais de um depositante em um mesmo endereço, o sistema bloqueia apenas os produtos do depositante que está no inventário, possibilitando que o outro depositante consiga realizar seu processo de expedição normalmente.

Na Conciliação de Estoque, o sistema iguala o saldo sistêmico com o saldo físico inventariado, de forma que, sempre que o inventário resultar em um saldo físico diferente do saldo sistêmico esperado, o processo automaticamente poderá gerar movimentações de estoque para acerto da localização do(s) produto(s), entradas do saldo excedente e saída do saldo faltante.

No momento da conciliação de endereços, o sistema deve avaliar se há a necessidade de geração de Documento de Entrada para dar saldo à quantidade excedente encontrada fisicamente, e/ou a necessidade de geração de Documento de Saída para dar baixa à quantidade faltante, ou seja, não encontrada fisicamente.

É importante que no Histórico Geral, cada inventário realizado seja gravado automaticamente no histórico de todas as alterações de estado efetuadas, bem como logs gerais do processo que serviram de base para consultas imediatas ou futuras dos processos realizados no inventário. Uma validação para que haja usuários diferentes nas contagens dos endereços também se faz necessário.

Por fim, se faz necessária a integração com ERP (Enterprise Resource Planning) para a devida atualização de saldo sistêmico a fim de reportar a este o início de um processo de inventário, bem como sua finalização, no qual ambos os sistemas terão como resultado o mesmo saldo sistêmico dos produtos, bloqueando e liberando as movimentações de forma segura e prática.

*Eduardo de Souza Canal é consultor de negócios da Store Automação, companhia de Tecnologia da Informação especializada no setor logístico.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!