Entendendo a arquitetura do Business Intelligence (BI)

Por Diego Elias
photo_camera Foto:Maksim Kabakou/Shutterstock

Foto:Maksim Kabakou/Shutterstock

Para melhor entender o Business Intelligence (BI), precisamos analisar e compreender sua arquitetura. Por definição, o BI não está restrito a uma tecnologia específica e, por isso, a concepção de sua dimensão muitas vezes se torna mais confusa do que realmente é.

O sistema de BI possui um acervo de possibilidades e requer uma percepção bem apurada da situação em questão para sua correta implementação. O BI contém certa abstração em seu conceito, permitindo, assim, flexibilidade e adaptações a cada novo projeto. Sua estrutura final vai depender do contexto que está inserida a solução.

A utilização de ferramentas OLAP (On-line Analytical Processing) ou de Data Mining (Mineração de Dados) na ponta é uma das opções para análises de informação em uma solução BI. A escolha, que poderá ser ambas, dependerá da necessidade da organização.

Em uma arquitetura genérica de BI, ou seja, aquela onde não aplicamos um estrutura pensada exclusivamente para um caso, a composição é simples. Em uma visão macro, percebemos que o BI precisa necessariamente de três marcos:

  • Fonte de dados: Toda e qualquer estrutura de BI deve possuir origem para os dados, pois não existe milagre ou mágica para geração das informações. Podem ser oriundas de várias fontes, mas com no mínimo uma. Lembre-se: tudo no BI possui uma origem.
  • Consolidação: Uma solução BI deve possuir uma fase de consolidação dos dados da origem, com processos de transformação e tratamento de acordo com as características intrínsecas, que o tornam consistente, estável, centralizado e à disposição das necessidades informacionais da organização.
  • Decisão: Todo sistema BI possui como único e exclusivo objetivo auxiliar a decisão. Por isso, esse é o seu último marco. Se a solução ao final não contemplar o que dela mais se espera, de nada ela servirá.

A imagem a seguir serve para ilustrar a visão geral de uma arquitetura BI.

Arquitetura BI

Com essas três fases bem delineadas, podemos dar o correto encaminhamento para um projeto de BI. Localizando as origens das informações, consolidando os dados e os disponibilizando ao decisor de forma efetiva.

Apesar da simplicidade da estrutura, é importante enfatizar que não podemos subestimá-la. O sucesso do BI depende do foco nela empregado. O conjunto desses três marcos é o alicerce que sustenta e propaga o BI para apoiar a decisão organizacional.

Portanto, espero que fique claro a importância de ter uma visão completa do sistema de BI, para que sejam engajados os esforços corretos, objetivando a integração e disponibilização das informações para suporte à tomada de decisão, contribuindo diretamente no sucesso dos resultados da organização.