Siga o @canaltech no instagram

Ações da Qualcomm alcançam valor recorde após acordo com a Apple

Por Rafael Rodrigues da Silva | 17 de Abril de 2019 às 20h30
Reprodução
Tudo sobre

Qualcomm

Saiba tudo sobre Qualcomm

Ver mais

A Qualcomm foi realmente a grande vencedora da briga judicial de dois anos que travou com a Apple. Isso porque, após as empresas anunciarem que chegaram a um acordo, a Qualcomm teve um crescimento de US$ 30 bilhões em seu valor de mercado. Depois do anúncio do fim das disputas judiciais, as ações da Qualcomm subiram 23% na terça-feira (16) e mais 17% nesta quarta-feira (17), chegando ao valor de US$ 79,20 por ação — um recorde para a empresa em quase duas décadas.

O acordo de seis anos firmado com a Apple coloca a Qualcomm na liderança de todo o mercado 5G, e abriu caminho para que a empresa feche o mesmo tipo de acordo com a Huawei, o que deixou os investidores esperançosos e contribuiu para o crescimento recorde do valor da empresa.

O valor atual é o maior que a empresa já alcançou desde 2010, quando a Qualcomm também liderou a transição das empresas de telefonia celular para as redes 4G, época em que as receitas da companhia aumentaram drasticamente — e, pelo que se pode ver, os investidores acreditam que esse cenário deverá se repetir em 2019 com a transição para as redes 5G.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Outro fator que influenciou para esse aumento foi a notícia de que a Intel, uma das concorrentes da Qualcomm, anunciou que estava saindo do mercado de chips de internet móvel e não irá mais desenvolver seu próprio modem 5G após o acordo firmado entre a Apple e a Qualcomm. Aaté então, por conta da disputa judicial entre as duas empresas, a Intel era a única fornecedora de modems da Apple.

De acordo com Dan Ives, analista da Wedbush Securities, o acordo que finalizou a disputa judicial entre as empresas não apenas elevou a Qualcomm de patamar como também foi benéfico para a Apple, que eliminou todos os rumores de que a empresa poderia demorar dois anos para lançar seu primeiro iPhone com suporte a 5G por conta dos problemas no desenvolvimento da tecnologia por parte da Intel.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.