Startup brasileira apresenta a primeira blockchain criada na América Latina

Por Felipe Demartini | 28 de Junho de 2019 às 07h40
MarTech Today

A startup brasileira Rhizom apresentou nesta semana a primeira blockchain totalmente escrita na América Latina. Voltada para a descentralização das operações financeiras, mas não apenas dela, a iniciativa deseja garantir que as empresas nacionais e dos países vizinhos tenham acesso ao protocolo e também a sistemas e serviços baseados nessa arquitetura, com todos se beneficiando dos fatores de validação, registro de transações e outros aspectos da tecnologia.

Luciano Britto e Luis Roloff, os fundadores da Rhizom, falam em eliminar as fricções entre diferentes mercados e operações na internet. Foi daí que veio a ideia de trabalhar em uma arquitetura desse tipo, de forma que empresas e profissionais do mercado, assim como os próprios clientes, pudessem interagir livremente na troca de valores. Daí veio a criação de uma série de ferramentas para diferentes tipos de negócios.

Uma iniciativa, por exemplo, é voltada para a indústria alimentícia, enquanto outra é focada na economia criativa. Uma terceira solução possibilita a conversão de obras de arte em unidades financeiras, que possam ser negociadas por meio da blockchain e seus contratos inteligentes, enquanto projetos sociais e ambientais podem se valer da tecnologia para iniciar campanhas de financiamento coletivo.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Já quando se fala diretamente da tecnologia, o protocolo criado pela Rhizom é capaz de processar 100 mil transações por segundo, mantendo-se íntegra até que, no mínimo, 66% de sua rede seja comprometida por um ataque. A blockchain possui planos de contingência para evitar até mesmo golpes que usem computação quântica e possibilita registros sem custo, além do trabalho com contratos inteligentes de forma paralela, de forma que eles não congestionem a rede.

No final das contas, a Rhizom enxerga a blockchain como o alicerce para a internet do futuro e, com um rol de soluções e iniciativas desse tipo, deseja fomentar seu uso em nosso país, principalmente nos mercados regionais, onde essa tecnologia é quase inexistente. “A blockchain se mostrou o melhor caminho e nos possibilitou iniciar o desenvolvimento de soluções integradas com maior escalabilidade, [como] contratos inteligentes mais robustos e ferramentas de automação”, complementa Britto.

Fonte: Rhizom

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.