Biohackers implantam LED sob a pele para iluminar tatuagens

Por Redação | 13 de Novembro de 2015 às 08h20
photo_camera Facebook/Grindhouse Wetware

Biohacking é uma daquelas áreas da ciência que parece ter saído de um conto de ficção científica, mas que se torna cada vez mais comum. E para comprovar isso, o grupo alemão Grindhouse Wetware, um dos mais conhecidos do ramo, vem realizando implantes de dispositivos luminosos sob a pele.

Chamado de Northstar V1, o equipamento é a evolução do modelo original, o Circadia 1.0. O gadget não tem nenhuma outra função além de oferecer iluminação sob a pele, uma espécie de perfumaria bizarra, mas que atrai o interesse de várias pessoas.

Em artigo publicado na Motherboard, a repórter Anna Neifer relata a sua experiência ao acompanhar uma sessão de implantes. “O implante luminoso, o Northstar V1, tem aproximadamente o tamanho de uma moeda de dois euros, consideravelmente menor do que o seu predecessor, o chip de computador Circadia 1.0 que o cofundador da Grindhouse Wetware Tim Cannon implantou há dois anos”, relata Neifer.

Implantes de LED

Implante tem o tamanho aproximado de uma moeda de um real ou de dois euros. (Foto: Divulgação/Grindhouse Wetware)

Cannon foi um dos criadores do dispositivo e conta que ele mesmo serviu de rato de laboratório para testar o protótipo. “Nosso primeiro protótipo, o Circadia, era tão louco que só eu poderia servir de cobaia em sã consciência”, comenta.

Implantes de LED

Que tal se transformar em uma espécie de vaga-lume? (Foto: Reprodução/Motherboard)

Luz pela luz

Shawn Sarver é membro da Grindhouse Wetware e um dos que vai receber o implante durante a feira alemã. Quando questionado sobre as razões de implantar um dispositivo luminoso, ele é enfático. “Você sabe, as pessoas da comunidade de biohacking querem isso”, afirma. “Eles nos contatam porque querem iluminar as suas tatuagens. É por isso que nós criamos nossos implantes, nos inspiramos na comunidade”, conclui o biohacker.

Sarver conta ainda que os diodos luminosos são estimulados por indução magnética, permanecem acesos durante 10 segundos, um processo que pode ser repetido 10 mil vezes antes do dispositivo precisar de uma recarga.

Fonte: Motherboard