Os caminhos para a consolidação do Big Data

Por Luiz Alcoba

Tema das principais discussões do momento, o Big Data é a promessa da realização do sonho das companhias de obterem grandes quantidades de dados estruturados, que proporcionem métricas para direcionar esforços e investimentos. O conceito tem como proposta capturar dados e analisá-los, revelando importantes diretrizes, que podem gerar redução de custos e proporcionar ganhos em termos de eficiência.

As grandes vantagens desse mercado estão relacionadas à possibilidade de construir estratégias de negócios, mantendo atualizadas informações que podem ser transformadas em ferramentas de planejamento, bem como auxiliar na definição do budget e direcionar as campanhas de marketing, além de prestar suporte à área de vendas, engajar todos os públicos da organização e mensurar todos os aspectos do negócio da empresa.

As perspectivas de crescimento do Big Data, incluindo software, hardware e serviços, são otimistas. Segundo a IDC Brasil, esse mercado movimentará no Brasil este ano US$ 285 milhões. Entretanto, ainda existe um longo caminho a ser percorrido, com muitos desafios tecnológicos e não tecnológicos a serem superados, para que esse atinja sua maturidade.

As principais discussões sobre o tema são: como identificar o Big Insight, que nada mais é do que a informação certa e na hora certa; como lidar com o big data para obter vantagens competitivas; os impactos do big data no armazenamento do centro de dados; e como evitar o Big Trash para garantir a validade das informações obtidas.

Além desses aspectos, também é importante ressaltar que um dos principais obstáculos é a falta de direcionamento na definição dos objetivos do uso de big data nas corporações. Sem o correto planejamento, fica muito mais difícil definir as ferramentas corretas para tratamento e análise dos dados, bem como para realizar a integração nos sistemas envolvidos nesse processo.

Nessa etapa, é essencial o envolvimento da alta gestão, uma vez que é um processo que abrange decisões importantes e que precisam ser tomadas com agilidade. Além disso, a análise dos dados também será mais eficiente se alinhada com a diretoria, pois simplificará o acesso às principais informações para a definição da metodologia de análise de dados. O Instituto de pesquisas Gartner prevê que 4,4 milhões de novos postos de trabalho serão criados em torno do big data. Sendo assim, um desafio desse mercado será obter mão de obra especializada. Portanto, é importante que as organizações se antecipem para descobrir quais as competências necessárias a serem desenvolvidas em sua equipe para formar profissionais capacitados para atuar nessa frente.

Sendo assim, conclui-se que o big data pode ser considerado uma revolução em toda a indústria e para aproveitar as suas vantagens é necessário investir em pesquisa, tecnologia e desenvolvimento de estratégias