Big Data: Para onde vai?

Por Colaborador externo | 12 de Janeiro de 2015 às 13h40

Por Thoran Rodrigues*

Imagine poder contar com todo o tipo de informação de mercado relevante para seu negócio atualizada em tempo real. O Big Data é um avanço imensurável da Tecnologia da Informação, porque capta e transforma dados não estruturados – disponíveis na Internet, em redes sociais e outras fontes – em estatísticas úteis para serem utilizadas por todo e qualquer segmento. Se hoje a técnica ainda engatinha, em breve trará vários benefícios, inclusive de utilidade pública.

Atualmente, há uma grande tendência entre as prefeituras das grandes cidades do mundo, como Londres e Nova York, em disponibilizar à população dados sobre transporte, segurança, clima e trânsito. Isso abre espaço para que qualquer pessoa ou empresa desenvolva ferramentas úteis à população, como aplicativos para consulta de horários e itinerários de ônibus, previsão do tempo, entre outros.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Dados e estatísticas são a base dos boletins de ocorrência, que têm como objetivo fornecer à polícia um mapeamento da violência urbana. Trata-se de uma aplicação Big Data para analisar onde acontecem os crimes, o tipo de delito e as suas características. O objetivo é realizar um policiamento preditivo, agindo sobre o crime antes que ele aconteça. Claro que esse tipo de policiamento exige que as autoridades disponham de efetivos e estrutura adequados. No Japão e na Europa, por exemplo, os níveis de criminalidade têm caído, e um dos grandes responsáveis por essa queda é a ação por parte das autoridades antes que as ocorrências aconteçam.

Nos grandes eventos, como a Copa do Mundo em 2014, as postagens em redes sociais podem ser utilizadas como grandes termômetros para medir o clima das torcidas e o sentimento dos torcedores. Podem ser empregadas até mesmo para medir a intenção de possíveis conflitos, permitindo que autoridades ajam com antecedência, e também como ferramenta para entender a receptividade da população para com o espetáculo, monitorando reclamações e elogios diversos. Na parte esportiva, as estatísticas funcionam para analisar os times e calcular a probabilidade de cruzamentos de chaves e favoritos ao título, com base em resultados passados das equipes.

Diante do universo de informações disponíveis para se trabalhar, fica difícil de estabelecer um limite para a aplicação do Big Data. As restrições existem mais por conta da nossa criatividade e das perguntas que fazemos, do que da capacidade em respondê-las. Dados e estatísticas, por meio dessas soluções, podem não resolver todos os problemas, mas ajudam a entender e aprimorar qualquer cenário.

*Thoran Rodrigues é CEO da BigData Corp., empresa especializada em ferramentas de Big Data

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.