Big Data: Para onde vai?

Por Colaborador externo | 12 de Janeiro de 2015 às 13h40

Por Thoran Rodrigues*

Imagine poder contar com todo o tipo de informação de mercado relevante para seu negócio atualizada em tempo real. O Big Data é um avanço imensurável da Tecnologia da Informação, porque capta e transforma dados não estruturados – disponíveis na Internet, em redes sociais e outras fontes – em estatísticas úteis para serem utilizadas por todo e qualquer segmento. Se hoje a técnica ainda engatinha, em breve trará vários benefícios, inclusive de utilidade pública.

Atualmente, há uma grande tendência entre as prefeituras das grandes cidades do mundo, como Londres e Nova York, em disponibilizar à população dados sobre transporte, segurança, clima e trânsito. Isso abre espaço para que qualquer pessoa ou empresa desenvolva ferramentas úteis à população, como aplicativos para consulta de horários e itinerários de ônibus, previsão do tempo, entre outros.

Dados e estatísticas são a base dos boletins de ocorrência, que têm como objetivo fornecer à polícia um mapeamento da violência urbana. Trata-se de uma aplicação Big Data para analisar onde acontecem os crimes, o tipo de delito e as suas características. O objetivo é realizar um policiamento preditivo, agindo sobre o crime antes que ele aconteça. Claro que esse tipo de policiamento exige que as autoridades disponham de efetivos e estrutura adequados. No Japão e na Europa, por exemplo, os níveis de criminalidade têm caído, e um dos grandes responsáveis por essa queda é a ação por parte das autoridades antes que as ocorrências aconteçam.

Nos grandes eventos, como a Copa do Mundo em 2014, as postagens em redes sociais podem ser utilizadas como grandes termômetros para medir o clima das torcidas e o sentimento dos torcedores. Podem ser empregadas até mesmo para medir a intenção de possíveis conflitos, permitindo que autoridades ajam com antecedência, e também como ferramenta para entender a receptividade da população para com o espetáculo, monitorando reclamações e elogios diversos. Na parte esportiva, as estatísticas funcionam para analisar os times e calcular a probabilidade de cruzamentos de chaves e favoritos ao título, com base em resultados passados das equipes.

Diante do universo de informações disponíveis para se trabalhar, fica difícil de estabelecer um limite para a aplicação do Big Data. As restrições existem mais por conta da nossa criatividade e das perguntas que fazemos, do que da capacidade em respondê-las. Dados e estatísticas, por meio dessas soluções, podem não resolver todos os problemas, mas ajudam a entender e aprimorar qualquer cenário.

*Thoran Rodrigues é CEO da BigData Corp., empresa especializada em ferramentas de Big Data

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.