Windows 11 ainda deixará seu PC cheio de instaladores "à moda antiga"; entenda

Windows 11 ainda deixará seu PC cheio de instaladores "à moda antiga"; entenda

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 27 de Julho de 2021 às 08h57
Divulgação/Microsoft

A Microsoft Store promete ser um meio único para baixar programas no computador, mas ela não dará fim aos vários instaladores que existem por aí. Segundo documentos liberados pela companhia, desenvolvedores podem utilizar a loja para distribuir as próprias soluções para baixar aplicativos Win32 (API que constitui softwares tradicionais), bem como suas compilações. Além disso, apps nesse formato não poderão ser atualizados pela plataforma.

Embora esteja para se tornar um lar para todos os apps, a Microsoft Store não tirará a autonomia do desenvolvedor de distribuir seus produtos da forma que preferir. De certa forma, a dona do Windows sinalizou que seguiria esse caminho ao anunciar que não cobraria taxas sobre vendas feitas dentro de aplicativos, se o pagamento fosse processado por mecanismos próprios.

Se for um programa convencional, a distribuição de atualizações precisa ser feita em CDN próprio (Imagem: Reprodução/Windows Central)

Aplicativos convencionais não poderão utilizar a loja para baixar atualizações, mas a implementação de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) ainda é permitida. Sendo assim, verificadores de atualizações embutidos ou distribuição de compilações pela web ainda serão indispensáveis.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Essa condição de atualizar por caminhos estabelecidos pelo próprio app é conhecida por usuários do sistema operacional, então não é uma novidade. É como se nada ficasse diferente do que é hoje: se você recorre à página oficial do app ou ao próprio programa para encontrar updates, continuará fazendo isso no Windows 11.

A escolha é livre

Nesses casos, porém, a Microsoft tentará ser mais transparente. Logo abaixo do nome do software na loja, será destacado o responsável por encaminhar atualizações. Assim, o usuário pode se assegurar de estar baixando uma versão legítima ou se realmente tem interesse em receber compilações daquele fornecedor.

Repare no responsável pela distribuição de atualizações logo abaixo do nome do app (Imagem: Reprodução/MSPowerUser)

Infelizmente, essa condição mostra que os infinitos instaladores que existem por aí continuarão iniciando com o sistema operacional. Quem lida com computadores mais antigos sabe que, ao longo prazo, o montante de apps com inicialização instantânea se torna um problema grave para discos rígidos e processadores mais datados.

A autonomia é um ponto positivo para os desenvolvedores, já que evita a dependência da distribuição de produtos pela loja da Microsoft. Para o usuário final, esse ponto não é tão interessante e, de certa forma, tira parte da atração da plataforma. Se a Microsoft Store fosse um lugar em que os apps fossem baixados da forma mais limpa e segura possível, certamente ela seria um diferencial para evitar downloads paralelos indesejados ou a inicialização automática de processos auxiliares que buscam atualizações a todo momento.

O Windows 11 ainda não tem data para ser lançado, mas já está sendo testada por membros do programa Windows Insider. Rumores apontam que o SO estreará em outubro deste ano, porém as novas políticas da loja entrarão em vigor já em agosto.

Fonte: Microsoft

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.