WhatsApp alega que "a polícia prendeu alguém com base em dados que não existem"

Por Redação | 01 de Março de 2016 às 15h13

O WhatsApp se posicionou há pouco a respeito da prisão do vice-presidente do Facebook para a América do Sul, Diego Jorge Dzodan, nesta terça-feira (1). Como o Facebook é o controlador do WhatsApp, companhia que não tem representação no Brasil, o executivo foi detido após o descumprimento de uma ordem da Justiça da cidade de Lagarto, Sergipe. Como o Facebook já havia alegado, o WhatsApp afirma ser uma operação independente da rede social e classifica a prisão “de um empregado de outra empresa” como “um passo extremo e injustificado".

Sobre a acusação de não colaborar com a Justiça, o WhatsApp se defende alegando que nenhum dado transmitido em conversas de seus usuários fica armazenado pela companhia. “Estamos desapontados pela justiça ter tomado esta medida extrema. O WhatsApp não pode fornecer informações que não tem. Nós cooperamos com toda nossa capacidade neste caso, e enquanto respeitamos o trabalho importante da aplicação da lei, nós discordamos fortemente desta decisão.”

A ordem inicial emitida pela Justiça do Sergipe em dezembro de 2015 solicitava ao Facebook nomes de usuários relacionados a uma conta do WhatsApp. Porém, os responsáveis pelo mensageiro alegam que as mensagens ficam sob sua posse apenas temporariamente, até que sejam recebidas pelo destinatário. A partir deste momento, apenas quem enviou e quem recebeu algo é que possui tais informações, impossibilitando a colaboração com as investigações.

“Isso significa que a polícia prendeu alguém com base em dados que não existem. Não podemos fornecer informações que não temos”, diz a nota divulgada à imprensa. A empresa informa ainda que seu sistema de criptografia garante que ninguém, nem ela nem criminosos virtuais, possam interceptar mensagens trocadas por meio do aplicativo.

Com informações da Folha de S.Paulo

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.