WhatsApp diz ter cooperado com a justiça e lamenta novo bloqueio

Por Redação | 02.05.2016 às 15:52 - atualizado em 02.05.2016 às 16:04

O WhatsApp lamentou a nova decisão judicial que obrigou o bloqueio do aplicativo em todo o território nacional por três dias. A suspensão começou às 14h desta segunda-feira (02), no horário de Brasília, e deve durar 72 horas, conforme ordenado pela Justiça de Sergipe, a mesma que, em março, solicitou a prisão do vice-presidente do Facebook na América Latina, Diego Dzodan. Os motivos também seriam os mesmos: a falta de cooperação da companhia em investigações da polícia.

Em nota oficial, o WhatsApp afirma ter cooperado o máximo possível com a justiça brasileira e afirmou estar decepcionado com a nova ordem de bloqueio. A empresa afirma não ter as informações solicitadas pela investigação e que a decisão de suspender o mensageiro em todo o país é uma punição para mais de 100 milhões de usuários, incluindo empresários, que dependem da plataforma para administrar seus negócios.

A ordem de bloqueio foi emitida pelo juiz Marcel Montalvão e estaria relacionada, mais uma vez, a uma investigação sobre o crime organizado e o tráfico de drogas na cidade de Lagarto, em Sergipe. As autoridades locais pedem informações sobre as conversas travadas pelos traficantes usando o WhatsApp, além de dados como localização e outros. A companhia diz não ter acesso a tais dados e afirma armazenar apenas os números de telefone utilizados como método de identificação pelo aplicativo.

Em dezembro do ano passado, uma ordem judicial semelhante, baseada no Marco Civil da Internet, já havia causado a suspensão do WhatsApp. O período deveria ser de 48 horas, mas durou menos de 12, uma vez que empresas e operadoras de telefonia, incluindo a Oi, entraram com pedidos na justiça para que o bloqueio fosse revogado. Até o momento, entretanto, nenhuma empresa afirmou publicamente a iniciativa de realizar tais solicitações novamente.

Entretanto, desta vez, o bloqueio parece estar sendo menos eficaz que o realizado no ano passado, com usuários chegando a afirmar que ele se aplica apenas às conexões móveis. Em testes realizados pelo Canaltech, o WhatsApp continuou funcionando normalmente pela rede sem fio da operadora paranaense Copel, enquanto relatos de outros utilizadores afirmam o mesmo em WiFis de operadoras como NET e Vivo. Entretanto, as duas operadoras, assim como a Claro, afirmaram que receberam a notificação da suspensão e devem atende-la em todos os seus serviços, sejam eles mobile ou não.

Fonte: UOL Tecnologia