Uber lança serviços de aluguel de carros e venda de passagens de trem nos EUA

Por Felipe Demartini | 11 de Abril de 2018 às 13h30
photo_camera Reprodução
TUDO SOBRE

Uber

A Uber anunciou nesta quarta-feira (11) sua entrada em duas novas categorias de serviços – o aluguel de carros de passeio e a venda de passagens de trem. Reveladas pelo CEO Dara Khosrowshahi em uma conferência junto a parceiros e a imprensa, as iniciativas chegam para marcar, de vez, a transformação da companhia de transportes em uma empresa multimodal, oferecendo diferentes opções para o cotidiano dos usuários.

Parceria, aliás, é a palavra de ordem nas novas empreitadas da Uber. Em uma plataforma que vai funcionar, inicialmente, na cidade norte-americana de São Francisco, a companhia está se aliando à Getaround para oferecer o aluguel de veículos por tempo determinado. Espécie de “AirBnb dos veículos”, a startup permite que qualquer pessoa empreste seus carros pessoais para as outras por curtos períodos, que podem ir de algumas horas a poucos dias.

Chamado Uber Rent, o serviço exibirá aos usuários os mesmos anúncios disponíveis no app da Getaround. A localização de veículos nas proximidades e os preços praticados são exibidos em um mapa, com a negociação sendo feita de forma completamente digital. A ideia é lançar a parceria, em caráter de testes, até o final do mês, com previsão de expansão para novos municípios do país ao longo do ano, se tudo der certo.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Serviços de aluguel de carros e venda de passagens em trens, pela Uber, começam a funcionar ainda em abril (Imagem: Divulgação/Uber)

A segunda novidade une a companhia à Masabi, empresa que é responsável pela bilhetagem eletrônica não apenas em serviços de transporte coletivo dos EUA, mas também de cidades da Europa. Agora, moradores de cidades como Nova York, Boston, Londres, Atenas e Los Angeles, entre outras, poderão comprar tíquetes para trens metropolitanos diretamente pelo app da Uber.

Mais uma vez, a integração acontece entre os sistemas das duas soluções, permitindo aos usuários ter acesso a todos os recursos da Masabi dentro do software da companhia de transportes. Novamente, a ideia é garantir que a Uber ofereça soluções multimodais, uma vez que o pedido de uma corrida pode nem sempre ser a alternativa mais viável ou barata para o trajeto necessário.

Khosrowshahi aproveitou o evento para anunciar, também, uma expansão do serviço Uber Bike, que passará a funcionar agora na cidade de Washington. Lançada em fevereiro, a opção de aluguel de bicicletas elétricas funciona, até o momento, apenas em São Francisco, mas deve ser expandida para a capital dos Estados Unidos com o mesmo funcionamento e baixos preços praticados no projeto piloto. A expansão para outros municípios e países, claro, está nos planos.

União governamental

O último anúncio do dia marca mais uma grande mudança na forma como a companhia vinha tocando seus negócios. Normalmente avessa ao compartilhamento de dados com outras companhias ou órgãos governamentais, a Uber revelou a expansão do Movement para mais 12 cidades em cinco continentes.

A ideia, a partir de agora, é permitir que não apenas desenvolvedores de software, mas também administrações municipais possam ter acesso aos dados anônimos de corridas e utilização por parte dos usuários. Dessa forma, acredita a companhia, é possível descobrir gargalos de transporte coletivo, pontos de trânsito intenso e outros aspectos do dia-a-dia das cidades, facilitando a tomada de decisão e aplicação de políticas públicas.

A expansão acelerada da Uber, principalmente na direção de outros modais, vem sendo citada como uma das principais marcas da gestão de Khosrowshahi, que assumiu a empresa em um período bastante turbulento. Desde que sentou na cadeira de CEO, no ano passado, ele está deixando de lado a postura conservadora assumida pelo antigo presidente e fundador da empresa, Travis Kalanick, em prol de uma postura mais aberta, visando a recuperação da confiança do público e, também, de aproveitamento do potencial da empresa.

Fonte: TechCrunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.