Uber acusa vereadores do Rio de Janeiro de desrespeito à democracia

Por Redação | 01 de Setembro de 2015 às 08h20

Após a aprovação do projeto de lei que, caso sancionado, torna ilegal a atividade do Uber na cidade do Rio de Janeiro, a empresa proprietária do aplicativo homônimo publicou em seu site uma carta aberta destinada à capital fluminense. Nela, o serviço acusa os vereadores que aprovaram o PL de desrespeitar a democracia e colocar a população em segundo lugar.

O texto foi publicado nesta segunda-feira (31) e aponta o descaso por parte dos políticos cariocas com o processo democrático ao não ouvirem o que a população da cidade tem a dizer antes de determinarem a irregularidade do uso do aplicativo de transporte particular.

Caso seja sancionado pelo prefeito carioca Eduardo Paes, o Projeto de Lei 122/15 tornará irregular o transporte de passageiros que não seja feito por um veículo com placa vermelha, licenciado e regulamentado na atividade de taxista. A maioria dos vereadores da Câmara aprovou a decisão sem que uma assembleia fosse convocada para que a população fosse ouvida, beneficiando primordialmente a categoria dos profissionais de táxi da cidade.

Na carta, a Uber faz um apelo ao prefeito para que ele não permita que a tecnologia e a inovação sejam banidas do Rio de Janeiro e ressalta a visibilidade que a capital terá com a chegada das Olimpíadas em 2016. Confira o documento na íntegra:

Carta Aberta À Cidade Do Rio De Janeiro

O Rio de Janeiro passa por um esforço de modernização que levará a cidade anfitriã das Olimpíadas 2016 para o futuro. Mas os vereadores da cidade parecem caminhar em sentido oposto. No dia 25 de agosto, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou o Projeto de Lei 122/15, que com as modificações propostas pelo vereador Jorge Felippe, em essência, impede que a inovação seja aplicada a melhorias na mobilidade urbana do Rio. Agora, é do Prefeito o privilégio de abrir novamente o caminho para a inovação. Tudo isso começa com um gesto simples – ouvir a sociedade.

O Projeto que foi aprovado pelos vereadores (com exceção do vereador Jefferson Moura) privilegia uma categoria, colocando em segundo plano a população. Mais do que o resultado da votação, o modo de operar dos vereadores demonstrou descaso com o processo democrático. Tudo foi aprovado em sete dias, de maneira isolada, ignorando inúmeros pedidos de debate e a vontade da população, demonstrada, por exemplo, em uma petição com mais de 8.5 mil assinaturas.

A aprovação do Projeto, no entanto, serve para mostrar como a participação democrática da sociedade é imprescindível para definir os rumos da cidade. A representação política deve ser feita pensando no bem-estar coletivo ou em nome de interesses determinados? Qual é o Rio de Janeiro que queremos; o dos velhos sistemas ou o das novas soluções? Qual a mensagem que escolhemos mandar ao resto do mundo, que assiste atento os preparativos para as Olimpíadas do ano que vem?

O Projeto depende de decisão do Prefeito Paes. Temos apenas um pedido: para que ele não permita que a tecnologia e a inovação sejam banidas do Rio de Janeiro, como fez a Câmara Municipal, sem antes ouvir a sociedade.

Para acompanhar todas as novidades do debate no Rio de Janeiro e descobrir as formas de participar, acesse: newsroom.uber.com/rio

Junto com a população do Rio de Janeiro, seguimos confiantes no futuro.

Cordialmente,

Uber do Brasil

Fonte: Uber

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.