Prefeitura de São Paulo vai usar agentes para flagrar motoristas usando o Uber

Por Redação | 02.07.2015 às 16:43

O aplicativo Uber foi proibido nesta semana em São Paulo e a Prefeitura da cidade vai começar a usar agentes para flagrar o uso indevido do serviço. Ainda não existe uma previsão de quando a ação vai começar, mas deverão ser usados policiais militares e guardas-civis metropolitanos para pedir caronas e apreender os carros em flagrante.

A Prefeitura anunciou a intenção na última quarta-feira (1), apenas um dia depois da aprovação da Câmara Municipal. A lei diz que deve ser proibido o "transporte remunerado de pessoas para locais preestabelecidos".

Jilmar Tatto, secretário de transportes, comenta que o uso da Polícia Militar e da Guarda Municipal foi justificado pela falta de agentes no Departamento de Transporte Público para realizar esse tipo de serviço. "Nós nos comprometemos a intensificar a fiscalização, fazer também conversa com a Secretaria de Segurança Urbana para nos ajudar, porque na fiscalização o DTP não tem tantas pessoas assim e, às vezes, é uma fiscalização que requer cuidados", afirma.

Somente neste ano, a Prefeitura já apreendeu 21 carros com a alegação de prestação de serviços de transporte irregular. Para Tatto, a aprovação de uma lei específica para o caso não é necessária. "A lei é clara. Se tem outro veículo fazendo esse transporte que não seja táxi, é proibido. Está cometendo uma irregularidade", diz.

Proibição

O texto referente à proibição do Uber ainda deve passar por uma nova votação na Câmara antes de chegar ao prefeito Fernando Haddad. Nesta quinta-feira (2) deve acontecer a última sessão do semestre na Casa, que vai entrar em recesso em julho.

Em nota, o Uber diz que ainda continua operando normalmente na cidade, afirmando que os usuários têm o direito de escolher como desejam se movimentar pela cidade. "A Uber acredita que é possível criar oportunidades de negócio para milhares de motoristas parceiros e, ao mesmo tempo, oferecer novas opções de mobilidade urbana", diz.

Fonte: UOL