"O futuro da internet está no chat", diz vice-presidente da CI&T

Por Caio Carvalho | 09.05.2016 às 13:35 - atualizado em 09.05.2016 às 15:53

Há exatamente uma semana, um dos aplicativos de mensagem mais populares do mundo, o WhatsApp, era bloqueado no Brasil. Isso não só mudou a rotina dos usuários, como também afetou a comunicação entre os mais de 100 milhões de brasileiros que utilizam a plataforma. Contudo, o acontecimento fez a ferramenta crescer ainda mais e mostrar que os mensageiros instantâneos chegaram para ficar.

Essa é a constatação de Leonardo Mattiazzi, vice-presidente de Inovação da empresa CI&T. Em um painel durante a edição de dez anos do ProXXIma, o executivo destacou que esses serviços, que entre suas funções possui o bate-papo virtual, representam um panorama da internet do futuro. Esta, por sua vez, será baseada principalmente em ferramentas com foco na comunicação direta entre usuários.

"Na China, por exemplo, se você quiser pedir um táxi ou uma pizza, basta usar o WeChat. Para fazer qualquer coisa, você usa o WeChat, digita o que quer e consegue aquilo através de um único app de mensagens", explicou. "Existem mais ferramentas de bate-papo sendo criadas todos os dias do que websites. O futuro da internet são os chamados 'messenger apps'", completou.

Matiazzi também destacou como o chat presente nesses aplicativos vai ajudar a convergir ainda mais a tecnologia e marketing. Um exemplo é uma campanha recente da Sprite, que convidou diversos artistas e pessoas influentes na internet para promover uma ação usando o Snapchat. A iniciativa consistiu em colocar nas latas de refrigerante da marca os chamados Snapcodes, para permitir que os consumidores adicionassem os perfis dessas webcelebridades, além de ter acesso a conteúdo exclusivo.

Participaram da campanha nomes como MC Guimé, PC Siqueira, Pyong Lee, o canal MTV e o site Papel Pop. Nos primeiros dias de campanha, os Snapcodes geraram mais de dois milhões de visualizações. A ação, que ainda continua no ar, também escolheu seis pessoas para terem seus perfis no Snapchat divulgados nas latinhas.

Ainda de acordo com Matiazzi, as marcas poderão se beneficiar desse movimento ao unificar seus serviços em um único app — algo conhecido como "container". "No futuro, será possível interagir com diversas marcas simplesmente dentro desses containers. Eles permitem fazer tudo o que você faz hoje no celular sem precisar abrir nenhum outro aplicativo", disse.

O VP de Inovação da CI&T também afirmou que não é necessário criar uma nova experiência ou app para interagir com outros usuários e clientes. Como exemplo, ele citou uma atualização recente do Facebook Messenger, que não mudou sua fórmula, interface ou método de utilização, mas adicionou que a plataforma agora conta com "robôs" para atendimento por meio do serviço. Segundo a rede social, esse recurso poderá ser utilizado por marcas ou empresas para gerar um engajamento direto com o cliente em diversas ações do cotidiano.

"O futuro [através desses apps] é o uso da linguagem natural. É simplesmente falar, escrever", concluiu Matiazzi.