"Luta do século" foi marcada pela pirataria via Periscope

Por Redação | 04.05.2015 às 15:51

No último sábado (2), os fãs do boxe estavam empolgados para assistir à chamada "luta do século", entre os pugilistas 'Money' Mayweather e Manny Pacquiao. Porém, entre polêmicas e reclamações, parece que quem levou a melhor foram os usuários de aplicativos como o Periscope.

Apesar de ter arrecadado muito dinheiro com a venda de pacotes pay per view – a ESPN estimava cerca de R$ 900 milhões apenas nos Estados Unidos, Canadá e Porto Rico –, o sucesso financeiro poderia ter sido ainda maior se não fossem os aplicativos de transmissões em tempo real, que têm feito muito sucesso entre os usuários e deixado emissoras de TV de cabelo em pé.

A luta em questão era considerada extremamente importante devido aos números astronômicos envolvidos no evento, além de ser um confronto inédito e cercado de polêmicas envolvendo os pugilistas fora do ringue.

Pacquiao x Mayweather

No Brasil, era possível adquirir o pacote especial de transmissão para assistir à luta por cerca de R$ 90, mas os adeptos de apps como Periscope e Meerkat conseguiram assistir a tudo sem desembolsar um centavo sequer. Usuários dos apps filmaram cenas da luta transmitidas em seus televisores e compartilharam em tempo real com os demais internautas.

Isso quer dizer que os esforços das organizadoras do evento, HBO e Showtime, para impedir a transmissão ilegal da luta, não funcionaram.

Enquanto as empresas de comunicação quebram a cabeça para tentar proibir e parar esse tipo de transmissão ilegal que ocorre em tempo real, o CEO do Twitter, dono do Periscope, comemorou o destaque do serviço:

"E o vencedor é... @periscope"

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que o Periscope entra em polêmicas relacionadas à proteção de direitos autorais. No início de abril, muita gente decidiu transmitir o primeiro capítulo da quinta temporada de Game of Thrones pelo aplicativo do Twitter.

Com informações do Slash Gear e ESPN