Hackers derrubam sites do governo do Sergipe após bloqueio do WhatsApp no Brasil

Por Redação | 02 de Maio de 2016 às 17h44

Não deu outra: o assunto desta segunda-feira (2) é o bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil, que ficará inacessível no país pelos próximos três dias. Agora, a decisão começa a gerar suas primeiras consequências, e uma delas atinge sites do governo do Sergipe, que foram retirados do ar por hackers do grupo Anonymous.

Segundo as páginas do Anonymous Brasil no Facebook e no Twitter, o grupo derrubou os sites do Tribunal de Justiça de Sergipe (tjse.jus.br), da Justiça Federal de Sergipe (jfse.jus.br) e do governo do Estado (se.gov.br). A página da Justiça Federal voltou ao ar por volta de 16h25, mas até o fechamento desta notícia, os outros dois endereços ainda não estão disponíveis.

Os hackers também confirmaram terem retirado do ar o site da cidade de Lagarto (lagarto.se.gov.br), município do juiz Marcel Montalvão, que autorizou o bloqueio do aplicativo de mensagens que pertence ao Facebook.

Para identificar a represália, o Anonymous utiliza a hashtag #OpStopBlocking, que já tem sido amplamente divulgada por outros usuários no Twitter.

Entenda o caso

A Justiça de Sergipe determinou o bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil por 72 horas. A decisão foi tomada pelo juiz Montalvão, da comarca de Lagarto (SE), em 26 de abril, e prevê a suspensão dos serviços do aplicativo, que ainda pode ser baixado, mas não é possível autenticar o número de celular do usuário. Quando tenta utilizar o app, o usuário visualiza um aviso de que a ferramenta não consegue se conectar à internet.

Montalvão é o mesmo juiz que determinou a prisão do vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan, em março deste ano. Por sinal, o processo que levou à prisão do executivo é o mesmo usado no bloqueio temporário do aplicativo no país, pois, segundo a Justiça do Sergipe, o Facebook não tem atendido a determinações judiciais sobre a quebra de sigilo de mensagens trocads pelo app por pessoas investigadas por tráfico de drogas.

Em comunicado oficial, o WhatsApp se mostrou desapontado com a decisão do juiz porque, mesmo após cooperar com os tribunais brasileiros, teve de ser bloqueado. De acordo com a empresa, a decisão "pune mais de 100 milhões de brasileiros que dependem do serviço para se comunicar, administrar seus negócios e muito mais".

Fonte: AnonOpsBrazil (Facebook), AnonH4 (Twitter)

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!