Google Fotos aposta em IA para colocar as pessoas em primeiro plano

Por Camila Rinaldi | 28 de Junho de 2020 às 19h00
Canaltech

Em 2018 nasceu meu sobrinho. Na época, morava em Berlim, na Alemanha, e fui conhecer o Lucca quando ele já tinha seis meses. Nesta visita, criei alguns gigabytes de fotos e vídeos, e foi quando a Inteligência Artificial (IA) do Google Fotos sugeriu que eu criasse um álbum com base no rosto do meu sobrinho. Na hora, achei aquilo bastante lógico e fiz o que meu celular havia sugerido.

Há duas semanas, o Lucca completou dois anos, e foi quando minha irmã compartilhou o álbum com os avós que moram em outro estado e estão sem ver o neto por causa da quarentena consequência do novo coronavírus. Depois disso, minha irmã então me contou como foi a reação dos avós ao ver as fotos reunidas em ordem cronológica: “ficamos muito emocionados”. Assim, percebi que naquele dia a minha decisão de seguir a sugestão da IA do Google Fotos e criar o álbum não passava apenas pela razão.

Nesta semana, o Google Fotos recebeu uma repaginada no design para oferecer às pessoas a chance de reviver momentos únicos, desde o corriqueiro passeio com o cachorro no parque do bairro, às viagens com amigos e familiares pelo mundo. Pelo menos é isso que afirma David Lieb, o Diretor de Produto do Google Fotos, em entrevista exclusiva ao Canaltech.

Notamos que, ao longo dos anos, as coisas que as pessoas realmente amam no Google Fotos são, na verdade, as partes do produto que têm mais a ver com as lembranças. [...] Por isso, decidimos redesenhar o Google Fotos e fazer dele uma ferramenta ainda melhor para recordar as memórias da sua vida. É disso que se trata a atualização.

David Lieb, o Diretor de Produto do Google Fotos

No ano passado, o Fotos entrou para a seleta lista de aplicativos a atingir 1 bilhão de usuários. E o Brasil, de acordo com Lieb, é um dos países em que o serviço é bastante popular. Muito simpático, logo no início da nossa conversa, o executivo fez questão de frisar isso:

Existem dezenas de milhões de pessoas usando o Google Fotos no Brasil todos os dias, o que torna o país um dos mais engajados no uso do Google Fotos.

Na quinta-feira (26), anunciamos as novidades que chegam à nova versão do Google Fotos, porém, o que realmente muda é a navegação no aplicativo, que foi simplificada. Durante a demonstração* do novo layout do Fotos, logo lembrei do visual do Instagram, com os Stories na parte superior e a grade de imagens logo abaixo. Isso porque agora, a IA do sistema faz uma análise das fotos e mostra apenas aquilo que realmente importa às pessoas, como momentos em família, recordações de viagem, passeios no parque e assim por diante. Logo, diga adeus às imagens de boletos e capturas de tela da primeira página do aplicativo.

Além disso, as miniaturas das imagens estão maiores e os vídeos são reproduzidos automaticamente, oferecendo uma visualização prévia, acentuando ainda mais esse caráter de Instagram privado. Se você usa o aplicativo Fotos, da Apple, vai notar rapidamente a semelhança.

Muitas das coisas que cada um desses aplicativos [Instagram e Fotos] está tentando fazer é semelhante. Mas o Google Fotos é um espaço privado, que inclui todas as suas memórias de vida, enquanto o Instagram reflete apenas o que você escolheu compartilhar. Portanto, são duas visões diferentes da sua vida.

As “Recordações”, na parte superior, ganharam mais destaques e contextos, e se parecem muito com o que temos nos Stories do YouTube. Vale lembrar que a seção "Recordações" é toda sugerida por inteligência artificial.

As "Recordações" ganham mais destaques no Google Fotos (Divulgação: Google)

Distinto de qualquer outro aplicativo do Google, como Gmail, Mapas ou Keep, o Fotos já não possui o campo de busca na parte superior da tela, mas na guia central. A princípio, isso me causou estranheza, pois adicionaria um novo clique na ação da busca, o que colocaria em xeque a simplificação do serviço. Contudo, isso não acontece, dado que ao pressionar longamente o ícone da pesquisa (lupa), vamos direto para a busca dentro do app. Então por que fazer essa mudança?

Tornando a busca uma tela secundária, Lieb e sua equipe passam a oferecer ainda mais possibilidades às pessoas no que toca à pesquisa no aplicativo. Você sabia que ao digitar na pesquisa “aniversário” ou “São Paulo”, por contexto, apenas as imagens capturadas em festas de aniversário ou na cidade de São Paulo irão parecer para você? Muita gente não sabe disso e é por isso que a pesquisa agora ganhou mais importância no Fotos.

A razão pela qual nós fizemos esse novo design está ligada ao fato de que o Google Fotos categoriza automaticamente todas as imagens, mas muitas pessoas não percebem isso, então confiar demais numa caixa de busca é um problema, pois as pessoas não sabem tudo o que podem fazer. [...] A ideia é ter uma guia de pesquisa mais visual.

Em outras palavras, o trabalho da IA do Fotos estará mais visível para você, mostrando atalhos para categorias que você talvez nem imaginasse que poderia usar.

Somado a isso, temos o novo mapa interativo de fotos e vídeos para auxiliar na busca por imagens. Usando a tag de geolocalização das fotos, a qual deve ser ativada pelos usuários, é possível viajar pelo globo e revisitar os locais em que você já esteve através de imagens e vídeos. A experiência é realmente muito bacana, pois enquanto navegamos pelo mapa, na parte inferior, vemos as imagens se movendo conforme muda a região na tela.

Este serviço não é exclusivo do Google Fotos, pois a Apple oferece o mesmo recurso. No entanto, é preciso dizer que o time de Lieb conseguiu oferecer uma experiência mais viva. Sugiro que você teste este recurso depois de atualizar o app na Play Store.

Há cinco anos, o Google Fotos surgia como uma ferramenta de gerenciamento de fotos, possuía integração com o Google Drive e outras características que identificam este tipo de serviço, mas com o tempo, evoluiu para algo mais condizente com uma experiência. Muitas pessoas ainda sentem falta dessa ferramenta de gerenciamento, porém, o conceito do Fotos mudou há algum tempo e, depois do que vimos nesta última atualização, a experiência dos usuários com as lembranças é o que guia a equipe de Lieb.

Quando conversamos internamente sobre repaginar o app, tínhamos dois objetivos: um deles era tornar a experiência do usuário mais simples em vez de lançar uma série de funcionalidades novas, repensamos em como as que já existem poderiam trabalhar juntas. E o outro objetivo foi o que você falou, queremos apresentar essas memórias que são habilitadas pela IA. Não que as pessoas não possam necessariamente encontrá-las, mas queremos colocá-las em primeiro plano, porque ela [IA] entende bem o que as pessoas que abrem o aplicativo gostam de fazer.

Em resumo, tudo o que tínhamos antes no Google Fotos, continua lá, mas as mudanças feitas no aplicativo irão, aos poucos, impactar na forma como consumimos as nossas próprias memórias. O que em tempos de isolamento social acaba funcionando como uma válvula de escape.

Mas lembre-se, apesar de contar com todas essas facilidades, é você quem está no controle daquilo que deseja permitir que o assistente inteligente do Google faça. As permissões do Fotos estão cada vez mais granulares, acessíveis a partir das configurações de segurança do celular e do próprio aplicativo, tanto para Android quanto iOS.

A essência do Google Fotos é ter um lugar seguro e privado para suas fotos e memórias. Então nossa regra número um é manter a privacidade dessas fotos.

Agora, inclusive, as próprias "Recordações" podem ser limitadas às pessoas e aos momentos que você deseja ver. Basta acessar as configurações do aplicativo e ocultar o conteúdo das imagens que não deseja ser ver nas memórias.

Além disso, se você não quiser compartilhar dados de localização nas fotos, restrinja o acesso de geolocalização ao serviço. O mesmo funciona para pesquisas sobre pessoas no seu Google Fotos, pois você pode sempre remover tais marcações. Isso, no entanto, limitaria o uso do serviço.

Nenhum ser humano consegue ver as suas fotos. Nós tentamos melhorar a experiência do usuário sempre, recebendo feedbacks. Por exemplo, se você busca o rosto de alguém no Google Fotos, clica no rosto do seu irmão e aparece uma foto do seu primo, então com o seu feedback você melhora os algoritmos, mas isso não requer nenhuma informação pessoal, nós levamos isso muito a sério.

Por fim, afirmar que o Google Fotos está apostando em Inteligência Artificial para colocar as pessoas em primeiro plano pode parecer contraditório. Contudo, foi por isso que criamos computadores e outras tecnologias, para que pudéssemos passar mais tempo fazendo aquilo que amamos fazer: criar memórias.

*Até a publicação desta matéria, a atualização do Google Fotos via Play Store ou App Store ainda não havia sido disponibilizada. O artigo foi construído com base na demonstração do novo Google Fotos realizada pelo diretor de produto do serviço com exclusividade ao Canaltech.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.