Google Arts & Culture | Como usar o comparador de selfies e arte no Brasil

TUDO SOBRE

Google

Na última semana, a Google anunciou uma simples, mas interessantíssima atualização para seu aplicativo Arts & Culture. Agora, o aplicativo que permitia uma viagem cultural por exposições e mostras na localidade do usuário e dava a ele, também, a chance de comparar uma selfie própria com obras de arte espalhadas em acervos ao redor do mundo, descobrindo, quem sabe, um sósia retratado pelos pincéis de artistas renomados.

A proposta estava disponível desde o começo do ano, mas só foi anunciada em 17 de janeiro, já com números gigantescos – 30 milhões de selfies teriam sido analisadas pelo sistema apenas em seus primeiros dias de funcionamento. O experimento é voltado para a evolução das plataformas de reconhecimento facial e inteligência artificial da Google, com esse feedback, claro, sendo de extrema importância para seus engenheiros.

Entretanto, os brasileiros ficaram de fora dessa etapa inicial de implementação do projeto, que só está disponível em territórios como Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Índia. Ou não necessariamente, já que o uso de VPNs permite a utilização da plataforma de maneira gratuita, dando a nossos conterrâneos e a pessoas de qualquer lugar do mundo a chance de encontrar seu doppelganger artístico.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Aplicativo da Google permite comparar selfies e obras de arte, podendo ser usado por meio de VPN

Neste tutorial, você confere como fazer isso e utilizar o sistema liberado pela Google.

Primeiro passo: VPN

As VPNs (sigla em inglês para rede privada virtual) são sistemas que permitem transferir a conexão para outra localidade que não a original do usuário. Imagine a tecnologia funcionando como um túnel – seu acesso original, feito a partir de um IP transferido, é enviado para servidores, por exemplo, nos Estados Unidos, e de lá, é realizada a comunicação com o site desejado.

Esse tipo de sistema é comumente usado para preservar a identidade do usuário ou, em casos como o que falamos neste tutorial, permitir a utilização de serviços bloqueados regionalmente. Existem plataformas pagas que oferecem acesso ilimitado, e também gratuitas, que normalmente possuem restrições que vão desde a exibição de anúncios ou limitações na quantidade de dados transferidos pela VPN.

Para utilização do sistema de comparação de selfies com obras de arte do Google Arts & Culture, vamos indicar dois aplicativos, de fácil utilização e configuração. Ambos também estão disponíveis nos dois sistemas operacionais em que o software da gigante está disponível:

  • Hola: Android / iOS (oferece sete dias de acesso gratuito em sua versão mobile, exigindo pagamento para uso ilimitado);
  • Tunnelbear: Android / iOS (dá 500 MB de utilização gratuita por mês, com planos pagos ilimitados).

Ambos exigem um cadastro simples antes de serem utilizados, consistindo apenas de e-mail e senha para acesso. Na sequência, será preciso realizar a instalação das VPNs, algo que acontece de maneiras diferentes de acordo com o sistema operacional escolhido.

No iOS, esse processo acontece após o primeiro login. No exemplo abaixo, utilizamos o TunnelBear – basta inserir as informações de e-mail e senha para ver a tela de autorização, selecionando “estou pronto” e, na sequência, confirmando em “Allow” a adição de configurações de VPN ao sistema operacional. Dependendo das suas preferências de segurança, pode ser necessário validar a operação com uso de biometria.

No iOS, configuração de VPN acontece no momento do login.

Já no Android, a configuração de VPN será ativada no momento da primeira utilização. Basta logar e ativar a VPN, selecionando um país na parte inferior da tela e ativando o botão na seção superior. Uma tela de confirmação será exibida e, ao clicar em “OK”, você dará atualização para que o sistema comece a funcionar, algo que passará a ser indicado pelo ícone de uma chave ao lado do indicador de conexão.

Já no Android, autorização para VPN é concedida na primeira atualização.

No iOS, vale a mesma lógica. Uma vez que a rede privada virtual for ativada, os dizeres “VPN” aparecerão na parte superior da tela, indicando que sua conexão está sendo transferida por meio de um sistema do tipo, aparecendo para sites e serviços como se você estivesse acessando a partir do país selecionado.

No Hola, as autorizações são semelhantes, mas o funcionamento, nem tanto. O software apresenta duas opções – um navegador próprio, que permite o acesso direto a sites a partir da VPN – e uma segunda alternativa, que varia do iOS para o Android. No iPhone e iPad, temos um seletor semelhante ao do TunnelBear, que, uma vez ativado, passa a realizar o redirecionamento da conexão no uso de apps.

Hola VPN apresenta comportamentos um tanto semelhantes de acordo com o sistema operacional usado

Já no Android, a seleção do software a ser utilizado acontece dentro do próprio menu, com uma caixa de pesquisa na parte superior da tela fazendo as vezes de navegador. Entretanto, também é possível escolher aplicativos do jeito tradicional, com a VPN permanecendo ativa enquanto o Hola estiver ativado.

Seja qual for o método de acesso e seu sistema operacional, sempre selecione os Estados Unidos como destino da VPN.

Segundo passo: selfie

Com tudo certo, basta abrir o aplicativo do Google Arts & Culture (ou instalá-lo, em suas versões Android e iOS). Com a VPN ativa, a opção “Search with your selfie” aparecerá logo na primeira rolagem da tela inicial do aplicativo, dando acesso à câmera para produção da foto a ser usada no comparativo.

Basta clicar em "primeiros passos" para usar o comparador de selifies do Google Arts & Culture

De resto, o trabalho é feito praticamente sozinho. Com a imagem capturada, o sistema rapidamente indicará os melhores resultados de acordo com as obras de arte disponíveis no acervo, dando também informações sobre o local em que estão disponíveis e a coleção de que fazem parte.

Além de observar o resultado, vale a pena clicar na obra para ver mais informações sobre ela.

Vale a pena, também, clicar na obra de arte em si para vê-la completa, já que, muitas vezes, a comparação pode ser feita a partir de um dos muitos retratados em um quadro. E para te poupar de frustrações e tentativas infrutíferas, infelizmente, o sistema do Google Arts & Culture não funciona com gatos, cachorros e outros animais domésticos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.