CEO do Tinder não espera que pessoas mais velhas usem o aplicativo

Por Carlos Dias Ferreira | 31 de Julho de 2018 às 21h00
TUDO SOBRE

Tinder

Se você se encontra atualmente na fase “tiozão” ou “tiazona” e ainda continua buscando pares românticos no Tinder, saiba que você está na contramão dos planos da própria plataforma. Em entrevista concedida recentemente ao site Recode, a CEO do Match Group, Mandy Ginsberg, afirmou que a ideia é manter o Tinder focado em um público mais jovem; no caso, adolescentes ou pessoas de até seus vinte e poucos anos.

“Nós simplesmente não podemos deixar que nos ocorra o que acontece com outras marcas”, disse Ginsberg ao referido site. “No caso, reações do tipo ‘credo, meu irmão mais velho também usa isso’, ou ‘meu pai usa isso!’, ‘minha mãe usa isso!’”, diz a executiva. “Eu diria que, mesmo ao preço de alienar usuários mais velhos, nós precisamos nos concentrar apenas nos mais jovens como nossa audiência principal”.

Apps específicos para outras faixas etárias

Embora reconheça que boa parte dos usuários envelhece utilizando a plataforma, Ginsberg reforça que há outros sites e aplicativos mantidos pelo próprio Match Group que seriam mais indicados a outras faixas etárias. No caso, aplicações como o Match.com e o OkCupid, além de outras respostas à tendência crescente de pessoas em faixas etárias mais avançadas buscarem pares românticos por meio de ferramentas online.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“Há cerca de 10 anos, as pessoas simplesmente não pensavam em continuar procurando relacionamentos quando ficassem mais velhas”, diz Ginsberg, apontando a popularização das redes sociais como uma das principais responsáveis pela mudança de comportamento — além das taxas galopantes de divórcios associadas a boa parte da sociedade contemporânea.

Taxa elevada de divórcios em sociedades contemporâneas ajudou a aumentar a busca por aplicativos de relacionamento, explica CEO do Match Group.

“[Essas pessoas] se sentem hoje muito mais confortáveis para tentar aplicativos de relacionamento”, explica a CEO. “De forma que é um segmento que eu me orgulho muito de poder ajudar.”

Além de serviços para pessoas mais velhas, o Match Group também mantém soluções para públicos reduzidos, como grupos religiosos. Atualmente, a companhia tem 1,5 mil empregados distribuídos por seus 20 escritórios.

Fonte: Recode

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.