Associação de consumidores retoma campanha contra o bloqueio do WhatsApp

Por Redação | 02 de Maio de 2016 às 14h17
TUDO SOBRE

WhatsApp

A Proteste Associação de Consumidores divulgou nota na qual condena um bloqueio do Whatsapp durante 72 horas em todo o território nacional à pedido da Justiça brasileira. Diante deste cenário, o grupo retoma a sua campanha “Não calem o WhatsApp”, que se posiciona contra o bloqueio do aplicativo de mensagens instantâneas pertencente ao Facebook.

A campanha começou em dezembro de 2015, quando o serviço foi alvo de um bloqueio judicial, e contou com a adesão de mais de 136 mil consumidores. Além disso, a Proteste afirma que a decisão do juiz Marcel Montalvão, da comarca de Lagarto, Sergipe, fere duas garantias básicas do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14): a neutralidade da rede e garantia de que provedores de conexão não responderão por práticas ilegais de terceiros.

"Trata-se de uma decisão desproporcional, tendo em vista os objetivos do processo penal do qual se originou a ordem do bloqueio", destaca a coordenadora institucional da Proteste Maria Inês Dolci. “Independentemente do motivo, é ilegal e pune os usuários sob todos os aspectos”, conclui. O entendimento da coordenadora se baseia no parágrafo 6º do art. 13 do Marco Civil, que obriga o judiciário a considerar a natureza e a gravidade de uma infração para determinar uma sanção.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ainda na visão da Proteste, os representantes brasileiros do Facebook, companhia dona do WhatsApp, é que deveriam ser diretamente responsabilizados por qualquer descumprimento de ordens judiciais. Vale lembrar que o juiz Montalvão foi o mesmo que determinou a prisão do vice-presidente do Facebook na América Latina Diego Dzodan em março deste ano.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.