Apple bloqueia novo app do Spotify e é chamada de "anticompetitiva"

Por Redação | 30 de Junho de 2016 às 22h08

A nova versão do aplicativo do Spotify para iOS foi pela Maçã para constar na App Store. E a companhia de streaming de músicas, obviamente, não gostou nada disso. Aliás, ela já deu uma declaração nesta quinta-feira (30), chamando a Apple de anticompetitiva.

“Este episódio mais recente levanta preocupações sérias sob a lei de competição tanto dos EUA como da UE. Continua sendo um padrão de comportamento alarmante da Apple em excluir ou diminuir a competitividade do Spotify no iOS como um rival do Apple Music, particularmente quando analisamos as condutas anticompetitivas prévias da Apple contra o Spotify. Nós não podemos aceitar que a Apple use os processos de aprovação da App Store como uma arma para prejudicar competidores”, disse a empresa.

O Spotify já reclamou das políticas da companhia de Cupertino com relação às aprovações da App Store anteriormente. O que acontece agora é o seguinte: a Maçã não obriga categoricamente os terceiros a usarem seu sistema de cobrança pelo iTunes, mas também não permite que eles usem outros meios de pagamento – enquanto o Google permite esse tipo de cobrança pela Play Store. A resistência do Spotify por aceitar a cobrança do iTunes se dá porque o sistema da Apple cobra uma taxa alta de 30% do aplicativo – valor que é repassado para a Apple. Para compensar, o aplicativo acaba deixando o valor do download para o usuário de iOS mais caro do que o mesmo app vendido para Android (na App Store o Spotify custa US$ 13 em vez de US$ 10).

Para driblar essa adversidade e não ter sua popularidade entre os usuários de iOS afetada, o Spotify decidiu então oferecer descontos e promoções para que os usuários assinassem o serviço fora do iPhone, pagando mais barato se assinarem pelo navegador, por exemplo. Dessa forma, o usuário ainda pode utilizar o mesmo login no app do iPhone, sem passar pelo sistema de cobranças da Apple.

A Maçã, por sua vez, não deve ter gostado nada dessa ideia brilhante do Spotify e teria pedido para que eles interrompessem essa promoção, sob pena de terem seu aplicativo removido da App Store. Para não arriscar a remoção, o Spotify acabou acatando à ameaça, mas, por sua vez, acabou com a possibilidade dos usuários pagarem pelo serviço de streaming usando o iTunes nessa nova versão do app. E é justamente essa versão que a Apple não está aprovando para constar na App Store.

Apesar desse caso ainda não estar solucionado, o Spotify segue na liderança do mercado de streaming musical. Em março de 2016, o serviço já contava com 30 milhões de assinantes pagos, enquanto a Apple registrou um número de 15 milhões de usuários no mesmo mês.

Fonte: Re/code