App 'The Know' usa dados pessoais para favorecer a fofoca e gera polêmica

Por Redação

No ano passado, o Lulu causou polêmica ao permitir que seus amigos do Facebook pudessem fazer avaliações sobre sua pessoa, tudo anonimamente. Ask.fm e Secret são outros serviços que polemizaram a internet num passado recente, permitindo perguntas e comentários anônimos, e agora chegou a vez do The Know ter seus 5 minutos de fama. O app, disponível apenas para iPhone e iPad, serve basicamente para fofocar a respeito de alguém, cruzando informações pessoais dos alvos e permitindo que quem esteja “falando mal” da mesma pessoa possa entrar em contato e, assim, fofocar ainda mais.

Usando o lema “porque a ignorância nunca é uma bênção”, o The Know tem como foco as pessoas que buscam saber de fuxicos sobre outras com quem estejam se relacionando, ou pensando em se relacionar. No entanto, o app não tem como ter controle sobre como as pessoas farão uso da ferramenta, permitindo que ocorra difamação e até mesmo cyberbullying.

The Know

O The Know pede dados como nome completo, cidade, telefone, entre outros, para que outra pessoa que esteja querendo saber mais sobre o mesmo indivíduo possa fofocar sobre ela via mensagem de texto (Reprodução: The Know)

Para começar a falar de alguém, o usuário precisa incluir informações pessoais sobre o alvo da fofoca, como seu nome, idade, endereço, número de telefone, profissão, altura, peso, cor dos cabelos, qual carro possui e, até mesmo, publicar uma fotografia. Todos os dados ficam públicos na busca do aplicativo, com exceção da foto, que só é revelada para quem estiver fofocando com alguém sobre a mesma vítima. Sim, os dados pessoais do “fofocado”, até mesmo seu endereço residencial, podem estar sendo divulgados no The Know para fins maliciosos. Como se não bastasse a possibilidade de ter histórias mentirosas espalhadas por aí, o app ainda possibilita a divulgação de informações pessoais que podem atrair não somente desafetos virtuais, como pessoas com intenções ainda piores - golpistas, por exemplo.

Por outro lado, um aplicativo que permite distribuir relatos pessoais com a identificação dos “acusados” pode ser útil na prevenção de crimes como o abuso sexual. Uma pessoa violentada poderia usar o The Know para divulgar os dados de seu abusador e, assim, alertar outras que estejam envolvidas com o suposto criminoso. No entanto, não há como comprovar as informações ali relatadas, gerando um impasse moral sobre o quão benéfico (ou não) um app como esse pode ser.

Fonte: The Next Web