Aplicativo que escondia minerador de criptomoedas é retirado da App Store

Por Wagner Wakka | 14 de Março de 2018 às 14h52
Divulgação
Tudo sobre

Apple

A Apple tirou o aplicativo Calendar 2 da Store do Mac ontem, depois da notícia de que o app escondia o minerador Monero de criptomoedas. De acordo com o CEO da desenvolvedora Qbix, Greg Magarshak, isso aconteceu pois a empresa violou a diretriz 2.4.2 da App Store. Após negociações, o app voltou à plataforma sem o mineirador.

Pelos termos, a desenvolvedora teria de fazer a software levando em conta “utilizar potência de forma eficiente", sendo que "o aplicativo não pode drenar a bateria rapidamente, gerar aquecimento excessivo ou forçar desnecessariamente as fontes do dispositivo”.  

Ao minerar criptomoedas, o app utiliza parte do processamento do computador do usuário. A própria Qbix havia assumido que o app tinha um bug que exigia mais do processador do usuário do que a desenvolvedora gostaria, o que seria entre 10% a 20% do processamento. Dessa forma, contrariando a diretriz da App Store. Um usuário do Twitter chegou a registrar consumo de 200% da CPU enquanto rodava o software.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com isso, a Qbix teve de remover o minerador do aplicativo e trabalhou com a Apple a possibilidade de recolocar o Calendar 2 na App Store. Além disso, a desenvolvedora está oferecendo, tanto para usuários novos quanto para pré-existentes, todas as funcionalidades da versão premium.

Apesar de todos problemas com o minerador, Magarshak disse que pretende reajustar o Monero e recolocar no Calendar 2. Ao todo, segundo o CEO, o minerador rendeu à empresa 2 mil dólares em três dias. Contudo, após a inclusão, o software recebeu uma série de avaliações negativas e atualmente tem a pontuação 2/5 na App Store.

A medida da Apple mostra o interesse da empresa em não permitir a prática de mineração na sua loja de apps. Contudo, alguns desenvolvedores defendem que esta é uma ferramenta para tornar viável a produção e disponibilidade de bons produtos de forma gratuita, em que o usuário cede parte do processamento de seus computador como contrapartida.  

Fonte: 9to5Mac, The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.