Aplicativo para iOS “espiona” uso do WhatsApp pelos usuários

Por Felipe Demartini | 29 de Março de 2018 às 12h31
Reprodução
Tudo sobre

WhatsApp

“A resposta para a antiga pergunta: com quem você estava conversando às três da manhã?”. É essa a promessa que aparece logo no topo do site oficial do Chatwatch, um aplicativo capaz de “espionar” a utilização do WhatsApp e criar gráficos de monitoramento de utilização da plataforma, indicando os períodos de maior atividade.

A palavra aparece entre aspas pois, apesar de seu uso um tanto peculiar, o Chatwatch utiliza dados públicos disponibilizados pelo próprio WhatsApp. Sua utilização, claro, está fora dos termos de uso da plataforma, mas isso não impede que ele avalie o status online dos contatos e observe sempre que um deles está disponível para conversar, uma informação que, inclusive, pode ser visualizada por qualquer usuário do mensageiro, somente não da maneira disposta aqui.

Chatwatch acompanha utilização do WhatsApp e cria gráficos de presença (Imagem: Chatwatch)

Com base nisso, o software não apenas é capaz de criar gráficos de atividade, exibindo os momentos de disponibilidade ou não, mas também usar isso para inferir quando duas pessoas estão conversando entre si. Isso também é feito por meio de métricas de acesso, mais uma vez, disponibilizadas publicamente e com gráficos gerados por comparação.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Essa indicação é feita, por exemplo, quando os períodos de inatividade coincidem à noite — há um grande surto de utilização por ambos e, na sequência, silêncio, o que indica que aquela foi a última conversa antes dos dois irem dormir. Ou, então, a presença em grupos semelhantes, com atividades constantes de muita gente ao mesmo tempo.

Para gerar esses gráficos, o Chatwatch exige 24 horas de análise e coleta. Na sequência, continua sendo atualizado de forma constante, indicando, dia após dia, os gráficos de utilização e os períodos de maior ou menor atividade no aplicativo. Tudo gratuito e invasivo, apesar de, como dito, os dados estarem disponíveis publicamente.

De acordo com os responsáveis pelo aplicativo, a análise pode ser feita, inclusive, com os usuários que desabilitaram essa opção no WhatsApp. Isso se deve ao fato de que o bloqueio acontece apenas para os outros utilizadores – enquanto ninguém consegue ver a pessoa online ou quando ela esteve conectada pela última vez, os servidores do mensageiro continuam coletando e armazenando essas informações.

O software é gratuito e, por enquanto, está disponível apenas para iOS. Como as informações usadas pelo aplicativo são livres, há pouco que o WhatsApp possa fazer para impedir esse tipo de utilização dos dados de seus utilizadores.

Fonte: ChatWatch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.