Viber anuncia nova função de grupos abertos, disponível a partir de setembro

Por Rafael Romer | 26.08.2014 às 15:08

O Viber anunciou nesta terça-feira (26) o lançamento de sua nova plataforma social de grupos abertos para o aplicativo, que integrará a interação através de mensagens de texto, imagens, voz, vídeo e stickers.

Os grupos poderão ser criados por qualquer usuário Viber, que poderá convidar outros usuários e amigos para participarem. Da mesma forma, haverá uma "central de grupos" que indexará todos os grupos do aplicativo e permitirá que usuários busquem aqueles de sua preferência.

"Eles são a ponte entre o público e o conteúdo que interessa a ele", explicou Luiz Felipe Barros, diretor geral do Viber no Brasil. "Eu posso escolher o conteúdo que é mais relevante, assim como em redes sociais, mas não estou seguindo simplesmente um monólogo da marca. Eu estou participando de um diálogo".

Apesar de todos os grupos serem abertos, a interação de usuários dentro deles será separada em dois perfis diferentes. Apenas o criador e moderadores poderão realizar postagens de conteúdo, enquanto usuários comuns, que somente "seguirem" o grupo, poderão apenas visualizar e interagir por meio de comentários nas postagens. "Se a gente liberasse para todo mundo escrever, iria virar um canal de spam. Toda a ideia de curadoria ia se perder", disse Barros.

De acordo com a empresa, os grupos estarão disponíveis em uma atualização do aplicativo que será liberada em setembro. A princípio, apenas as versões para Android e iOS do app receberão a função.

Os grupos abertos deverão servir ainda como uma nova plataforma para parcerias comerciais e monetização do aplicativo. Com os grupos de marcas, que serão verificados pelo Viber, a empresa espera engajar clientes interessados em promover um contato em tempo real com seus usuários, através de conteúdos exclusivos em formatos mais intereativos.

Para empresas que esperam um alto tráfego de mensagens de texto, como plataformas de recebimento de mensagens para jornais e canais de televisão, o Viber também vai oferecer o serviço apelidado Hotline, que disponibilizará um número de telefone customizado do Viber para enviar mensagens, fotos e vídeos diretamente para o cliente.

O Viber já anunciou uma série de parcerias no Brasil com produtores de conteúdo como a rede A&E, os sites Não Salvo, Omelete e Esporte Interativo, o grupo Mix, dono da Mix FM e Mix TV, e a Coca-Cola FM.

Segundo afirmou Barros ao Canaltech, os grupos trarão ainda outra forma de monetização do aplicativo, por meio de stickers customizados. Empresas parceiras poderão criar seus próprios pacotes de stickers para serem usados no app, que poderão ser gratuitos ou pagos – no último caso, a receita poderá ser dividia entre o Viber e a empresa, de acordo com a imporância do parceiro.

Viber

De acordo com o diretor geral do Viber no Brasil, Luiz Felipe Barros, cerca de 85% dos usuários brasileiros utilizam o app pelas funções de mensagem instantânea (foto: Rafael Romer/Canaltech)

Roadmap agitado

O aplicativo de mensagens instantâneas e VoIP vive um momento de expansão intenso, que incluiu sete novos escritórios internacionais nos últimos dez meses – o Brasil está entre eles. Até o final do ano, novos escritórios deverão ser abertos.

O aplicativo também dobrou sua base de usuários ativos desde dezembro do ano passado, e hoje já conta com 400 milhões de usuários. No Brasil, já são 17 milhões – 8 milhões deles conquistados desde janeiro, quando o escritório nacional foi inaugurado.

De acordo com Barros, o Viber está planejando uma série de anúncios de novos produtos e atualizações para os próximos dias e deverá apostar em inovações na tentativa de continuar a expansão de usuários.

Entre os planos, ainda não oficializados, deverá estar o lançamento de uma solução de mensagem específca para o mercado corporativo – serviço cada vez mais requisitado em estratégias empresariais de mobilidade e hoje já ofertado por players como a BlackBerry, com o BBM.