Startup quer aproximar desconhecidos que estejam no mesmo ambiente

Por Redação | 28 de Abril de 2014 às 16h25

Se a ideia do Tinder é facilitar relacionamentos com pessoas que estejam nas proximidades, o Mingleton quer tornar tudo isso ainda mais próximo. O aplicativo utiliza dados de localização para mostrar desconhecidos que estejam no mesmo ambiente que o usuário, apresentando informações sobre eles e facilitando o início de uma conversa presencial.

A diferença é que, ao contrário do Tinder, o Mingleton tem um processo de demonstração de interesse mútuo um pouco diferente. A ideia é que o usuário já tenha visto o objeto de interesse pelos arredores e, pelo app, envie uma solicitação de aproximação. Se aprovada, ambos recebem uma notificação e a aproximação física, então, é facilitada.

O processo de cadastro, como no Tinder, acontece pelo Facebook, de onde o programa tira as informações essenciais e fotos de cada cadastrado. Para “unir” usuários, critérios como gênero e idade são utilizados, com mais opções a serem adicionadas no futuro. Amigos mútuos também são exibidos, mas esse aspecto não faz parte do algoritmo de indicação de pessoas.

Para garantir um funcionamento perfeito, o software utiliza as tecnologias iBeacon, proprietária da Apple, ou outros dispositivos Bluetooth de baixa energia usados para localização. Caso nenhum destes esteja disponível, o Mingleton se aciona o GPS convencional, ao custo de geração de resultados não tão precisos.

O aplicativo é obra de dois estudantes da Universidade de Harvard, Obi Ekekezie e Joel Ayala, e foi criado durante o tempo livre dos dois. A ideia, porém, acabou saindo à frente do próprio Tinder, que hoje é a principal solução para quem está em busca de relacionamentos. Como lembra o Techcrunch, o criador do app, Sean Rad, já mostrou interesse por uma função semelhante à do Mingleton, mas nenhum avanço do tipo foi exibido pela companhia até então.

O download é gratuito e o aplicativo, por enquanto, está disponível apenas no iOS. Segundo os criadores, o foco atual é a captação de usuários e crescimento de sua base, aumentando os números e testando o servidor com números cada vez maiores. Caso a tecnologia tenha sucesso, não será surpresa alguma ver sua aquisição por parte de um dos gigantes desse segmento.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.