Desempenho: um diferencial competitivo para apps

Por Colaborador externo | 30 de Janeiro de 2015 às 09h16

Por Fernando S. C. Ferreira*

O termo “tolerância zero” descreve bem o grau de paciência dos usuários com relação a aplicativos móveis com performance deficiente. Segundo pesquisa do Institute of Management Studies (IMS), quase 90% dos usuários já desinstalou um app após ter uma experiência negativa.

Apesar da falta de dados similares no Brasil, o estudo apresentado pelo Mobile Entertainment Forum (MEF), em novembro, indica forte crescimento do Mobile Banking e Mobile Commerce no País (52% e 62% de penetração, respectivamente), o que reforça a importância de garantir uma experiência de uso adequada ao usuário. Pesquisa da CA Technologies mostra que um aplicativo tem, em média, 1,8 segundo para conquistar um usuário.

A Economia dos Aplicativos faz-se cada vez mais presente, uma vez que todo negócio hoje, seja qual for o segmento, depende de software para prosperar. Mas, se por um lado nunca foi tão fácil desenvolver um app devido à variedade de plataformas disponíveis, por outro o mercado nunca esteve tão saturado de soluções sem real apelo aos usuários. Assim, a fidelidade do público tende a se concentrar em um número muito restrito de apps que efetivamente agregam valor ao dia-a-dia de forma funcional, enquanto a maioria dos lançamentos cai no esquecimento muito rapidamente.

Nesse contexto, as soluções de APM (Application Performance Management) voltadas para a mobilidade ganham espaço entre organizações que desenvolvem apps. Empresas de todo o tipo e porte contam com ferramentas de APM há anos para gerar uma visão “fim-a-fim” dos múltiplos elementos que compõem transações e detectar a “causa raiz” de deficiências. As soluções mais robustas podem até mesmo identificar linhas de código com problemas, permitindo que as equipes de TI atuem de forma precisa para evitar reclamações “genéricas” dos usuários, como, por exemplo, de lentidão na rede.

O “app perfeito” não deve ser visto necessariamente como um destino, mas sim como uma jornada. Dessa forma, para criar um ciclo virtuoso de melhorias e atuar de forma proativa, é fundamental monitorar o desempenho dos sistemas e processos que impactam a performance, bem como criar alertas automáticos. Afinal, por mais que a equipe de desenvolvimento tenha testado um novo app antes do lançamento, é fundamental estar preparado para “crashes”, que por sua vez devem ser entendidos na sua totalidade para suportar novas versões.

Além do aspecto técnico, um desdobramento do Mobile APM está relacionado com a capacidade de alavancar os dados de uso de apps (mobile app analytics). Várias soluções nesse segmento disponibilizam informações do tipo “quem” usa uma determinado app , “onde” e “quando” o acesso é realizado e “qual” o tipo de funcionalidade mais usada. Com o APM, essas análises poderão ir mais longe e eventualmente “cruzar” padrões de uso com performance, como por exemplo verificar se a incidência de “crash” é maior ou menor entre “heavy users”.

As soluções mais inovadoras integram APM com “Mobile APM” e têm o potencial de prover uma visão integrada de múltiplos ambientes e acompanhar como eles interagem entre si. Assim, essa convergência pode reduzir a complexidade de gestão, apoiar no desenvolvimento de aplicações (móveis ou não) cada vez melhores e gerar maior fidelidade dos usuários. Do contrário, marcas que optaram por investir em apps correm o risco de não ver o retorno esperado de suas ações, bem como de frustrar os clientes atuais e potenciais.

A tendência de migração do tráfego de internet móvel de sites para apps é um fato. Além de facilitar a vida dos usuários de forma original, apps de sucesso têm em comum uma grande preocupação com o desempenho. Essa é a realidade de um segmento cada vez mais exigente.

* Fernando S. C. Ferreira é Solution Strategist na CA Technologies

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!