Compra do WhatsApp é a maior da história das startups

Por Redação | 20 de Fevereiro de 2014 às 14h57
Tudo sobre

WhatsApp

Saiba tudo sobre WhatsApp

Ver mais

Quando Brian Acton foi reprovado em um processo seletivo para trabalhar no Facebook em 2009, ele não esperava fundar pouco tempo depois o WhatsApp e melhor: cinco anos depois, vendê-lo para a rede social pela bagatela de nada mais, nada menos, que US$ 16 bilhões.

A negociação, anunciada na quarta-feira (19), já é considerada a maior aquisição de startup apoiada por fundos de venture capital, segundo levantamento da VentureSource divulgado pelo blog Venture Capital Dispatch. Atrás dela estão a compra da Continental Cablevision por US$ 11,8 bilhões pela US West Media, em 1996; e a do Skype, por US$ 8,5 bilhões pela Microsoft, em 2011. Contudo, esse não foi o maior valor na história da tecnologia, perdendo somente para a aquisição da Compaq pela HP em 2001, por US$ 25 bilhões.

Aquisições de startups apoiadas por v. capital

Sequoia Capital: o grande vencedor

Entretanto, quem foi o grande vitorioso dessa transação não foi Acton ou Jan Koum, co-fundadores do WhatsApp, e sim a Sequoia Capital, o fundo de investimento por trás do app que empreendeu US$ 8 milhões em 2011. Segundo uma fonte próxima à negociação ouvida pelo Wall Street Journal, o WhatsApp divulgou apenas uma rodada de investimento, mas na verdade, teve mais duas lideradas pela Sequoia, que teria investido, no total, cerca de US$ 60 milhões no app. Isso representaria 19% da fatia do WhatsApp que, segundo contas do TechCrunch, equivalem a US$ 3 bilhões em dinheiro e ações.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Mas não para por aí. De acordo com o blog DealBook do jornal The News York Times, a Sequoia pode obter um retorno 50 vezes maior do dinheiro investido em 2011. O retorno seria um recorde para a empresa de investimentos.

Fundada em 1972, a Sequoia Capital ganhou status depois de apostar no Google, Apple, Oracle e PayPal. Contudo, foi muito criticada por ter perdido o "timing" das redes sociais com o Facebook e o Twitter. Para quem não conhece ou não lembra, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez uma "pegadinha" com a Sequoia durante uma apresentação do Wirehog, programa de compartilhamento de arquivos linkado ao Facebook (já desativado). A apresentação dizia "10 razões para não investir no Wirehog", motivada por uma richa entre Michael Moritz, da Sequoia, e Sean Parker, co-fundador do Napster. A história, que é melhor detalhada no livro "The Facebook Effect", acabou rendendo um "não" da Sequoia. Por razão do destino ou vingança inesperada, o que aconteceu é que, querendo ou não, foi o Facebook que investiu uma boa quantia na Sequoia.

Recentemente, a Sequoia Capital também investiu no LinkedIn, YouTube e diversos sucessos do mundo mobile, como Dropbox, Square, Evernote e Instagram, que também foi adquirido pelo Facebook, em 2012, por US$ 1 bilhão.

Lição às startups

Em post publicado no seu blog oficial, a Sequoia resolveu se manifestar sobre a aquisição e deu algumas das razões porque resolveu investir no WhatsApp anos atrás.

“No momento em que abriram as portas do WhatsApp, Jan e Brian queriam uma empresa diferente. Enquanto outros buscavam atenção, eles se afastaram dos holofotes, se recusando até mesmo a colocar uma placa na porta do escritório do WhatsApp, em Mountain View. Enquanto os competidores promoveram games e correram para construir plataformas, Jan e Brian permaneceram devotados a um serviço de comunicação limpo e que funcionasse com perfeição”, afirma Jim Goetz.

Em outro trecho, Goetz ainda fala da privacidade e da facilidade de registro. "Quando nós fechamos parceria com o WhatsApp em janeiro de 2011, ele tinha mais de uma dúzia de concorrentes diretos, e todos foram apoiados por publicidade (somente em Botswana havia 16 aplicativos de mensagens sociais). Jan e Brian ignoraram a sabedoria convencional. Ao invés de atingir usuários com anúncio — uma abordagem que caiu nos desgosto deles durante seu tempo no Yahoo —, eles escolheram o caminho oposto e cobraram um dólar para um produto que é baseado em saber tão pouco sobre você. O WhatsApp não coleta informações pessoais como seu nome, sexo, endereço ou idade. O registro é autenticado usando um número de telefone, uma inovação significativa, que elimina a frustração de se lembrar de um nome de usuário e senha. Uma vez entregue, as mensagens são excluídas dos servidores do WhatsApp".

Fica uma lição para as startups, novas ou com algum tempo de mercado. O cliente espera um serviço bom, no qual possa se fidelizar, e consequentemente, investidores procuram essa fidelização. Não basta uma fachada ou escritório atraente se o produto não segue o mesmo adjetivo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.