Cibercriminosos usam WhatsApp web para espalhar malwares

Por Redação | 03 de Fevereiro de 2015 às 09h42
TUDO SOBRE

WhatsApp

O WhatsApp lançou a sua versão oficial para a web no final de janeiro, mas analistas da Kaspersky Lab descobriram que vários anúncios maliciosos já estão sendo usados para propagar malwares no serviço na América Latina. De acordo com a empresa, isto já estava acontecendo antes mesmo do lançamento da plataforma.

Especialistas de segurança da Kaspersky Lab no Brasil afirmam ter encontrado vários domínios maliciosos registrados para executar os ataques e alguns já estavam em uso, enquanto outros aguardavam o comando de seus proprietários para o ataque com trojans de bancos brasileiros.

Eles também descobriram que existem outras versões não oficiais do serviço para PC que circulam pela internet em países de língua espanhola e árabe. A imagem abaixo mostra, por exemplo, o "WhatsApp Sky", que redireciona o usuário para uma página que pede o seu número de celular assim que ele clica no botão para download. Com isso, a vítima acaba sendo inscrita em serviços de números "premium", que enviam mensagens de spam que são pagas automaticamente pelo usuário.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Trojan WhatsApp

O analista sênior de segurança da empresa, Fabio Assolini, diz não haver dúvidas da escolha dos cibercriminosos pelo WhatsApp, visto que o serviço web já era aguardado por mais de 700 milhões de usuários no mundo todo. "Os cibercriminosos também estavam atentos à expectativa gerada pela nova versão e estão aproveitando a deixa para aplicar seus golpes", diz.

Assolini também comenta que, no Brasil, é fácil encontrar cibercriminosos que se passam por empresas de marketing e oferecem pacotes de venda para espalhar spam. O serviço malicioso oferece spam em forma de textos, fotos, áudio e vídeo.

Ainda não é possível bloquear mensagens de contatos desconhecidos no WhatsApp, mas o que pode ser feito é bloquear o remetente assim que a mensagem chega. Porém, ainda assim, este procedimento não resolve o problema completamente.

A recomendação da Kaspersky Lab é que os usuários fiquem atentos à página oficial das empresas na hora de fazer o download de quaisquer serviços e, ainda mais importante, não clicar em links que são recebidos por e-mail, redes sociais ou buscadores web.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.