As 6 novidades do Android 6 para o mundo corporativo

Por Colaborador externo | 13.01.2016 às 07:54 - atualizado em 13.01.2016 às 08:05

Por Vinícius Boemeke*

O lançamento das versões dos sistemas operacionais das duas principais fabricantes de mobilidade – Apple e Google – mostra um claro movimento de facilitar a vida do usuário corporativo por meio de mais integrações e APIs.

Em sua versão pura, o Android tem pouquíssimos recursos voltados a empresas e cabem às customizações das fabricantes a introdução de recursos de gerenciamento. O Marshmallow transforma alguns desses recursos, antes customizados pelos fabricantes, em funcionalidades nativas.

  1. Screen pinning: impede que o usuário saia da aplicação corporativa durante o período estabelecido. A novidade permite, inclusive, o bloqueio da barra de notificações, para evitar distrações. Essa funcionalidade é muito boa, por exemplo, para uso em sala de aula, no caso de provas.
  2. Instalação silenciosa: apenas a customização de alguns fabricantes permitia que apps fossem instalados ou desinstalados silenciosamente, sem intervenção do usuário, mas, agora, a funcionalidade está disponível em todos os aparelhos que utilizam a versão Marshmallow do Android. Essa novidade é positiva porque, em um universo com dezenas, centenas ou milhares de aparelhos, como em casos de equipes de campo ou totens de venda, é impossível esperar que o usuário autorize a atualização de um aplicativo, por exemplo.
  3. Heavy Users: o Marshmallow permite rastrear informações de uso e o consumo de dados por aplicativos. Com esse recurso, será possível requisitar estatísticas para identificar o plano de dados mais adequado para cada função e o tempo que os colaboradores usam cada aplicativo.
  4. Chega de SafeBoot: pela nova versão do Android, será possível desabilitar o SafeBoot, recurso que, por muitas vezes, o usuário utiliza para navegar em funções não permitidas ou bloqueadas. Esse é mais um aliado no controle do consumo de dados.
  5. Controle aprimorado: o Android 6.0 permite ligar ou desligar certos recursos e funcionalidades do dispositivo, como a barra de status.
  6. Liberação automática: agora, há a auto-aceitação de atualizações de sistemas e, até mesmo, prorrogação ou agendamento do processo, para impedir que um toten em um quiosque, por exemplo, entre em processo de atualização no meio do dia. Antes, era possível bloquear atualizações over the air, mas era impossível programar um horário para a ação.

*Vinícius Boemeke é Diretor de Marketing e Tecnologia da MDM Solutions.