Android P não vai permitir que apps monitorem conexões à rede

Por Felipe Demartini | 08 de Maio de 2018 às 10h49
Tudo sobre

Google

A nova versão do sistema operacional Android vai resolver algo que, para muitos, era uma flagrante violação de segurança e privacidade. A partir do Android P, aplicativos não poderão mais monitorar as atividades online do usuário, sabendo se ele está conectado ou se utilizada redes móveis ou Wi-Fi. Com a atualização, somente apps de VPN terão acesso a esse tipo de informação.

E mesmo elas dependerão de autorização, algo que, hoje, inexiste. O monitoramento de atividade online não dá acesso às informações trafegadas, mas permite que aplicativos observem até quais sites estão sendo acessados. São informações úteis principalmente para softwares como o Facebook, que em seus termos de uso admite monitorar a atividade conectada dos usuários para criar perfis que, depois, são usados em campanhas de publicidade direcionada.

Como se isso já não fosse ruim o suficiente, a ausência de opções para restringir esse tipo de acesso só piora as coisas – como dito, nem mesmo existem permissões no momento em que o monitoramento começa a acontecer, com o usuário mais leigo, na maioria das vezes, nem mesmo sabendo de nada. O Android P, então, vem para mudar isso drasticamente.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Além de permitir que apenas VPNs tenham esse tipo de acesso, mediante autorização, o sistema operacional ainda exibirá uma mensagem de alerta no momento em que essa permissão for concedida. No texto, o utilizador será alertado sobre os perigos desse tipo de ação e também para o fato de que esse privilégio é necessário para que as redes privadas virtuais funcionem como deveriam.

As alterações de segurança vêm com a API Level 28, nova versão da interface do sistema operacional com aplicativos Android, que, claro, também gerou mudanças no ecossistema. A Google anunciou que os desenvolvedores de software terão até o final do ano que vem para se adequarem às novas normas, sob risco de terem esse aspecto bloqueado, o que resultaria em comportamento anormal de suas aplicações.

Entretanto, não existem informações sobre uma adoção de medidas semelhantes em versões anteriores do sistema operacional. A plataforma tem um histórico de liberação ágil de atualizações, mas também de adoção lenta entre os usuários. Mesmo com a mudança em prol de segurança, podem ser alguns anos de espera até que, pelo menos, a maioria dos utilizadores da plataforma esteja protegida desta maneira.

Nesta semana, a gigante realiza a Google I/O, seu evento voltado para a comunidade de desenvolvedores, os mais interessados nesse tipo de mudança, pelo menos nessa fase inicial de adaptação. Por lá, é possível que a companhia fale mais sobre o assunto e, quem sabe, revele como e se a medida de proteção também será adotada às edições anteriores do Android, bem como mais detalhes sobre a nova versão da plataforma.

A Google I/O começa nesta terça-feira (8) e o Canaltech está acompanhando tudo in loco para trazer todas as novidades para você.

Fonte: XDA Developers

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.