Quatro maneiras de garantir downloads seguros no seu Android

Por Felipe Demartini

A história no mundo mobile repete o que é visto nos computadores e notebooks. Assim como o Windows nos PCs, o Android é o sistema operacional mais utilizado nos celulares e tablets, estando presente em cerca de 65% de todos os aparelhos em operação no mundo. E, sendo assim, tornou-se alvo preferencial de hackers em busca de roubar dados ou obter ganhos ilícitos.

Na mesma medida em que crescem os números relacionados ao Android, aumenta também a quantidade de aplicativos hospedados na Google Play, a loja oficial que serve o sistema operacional. E, apesar do downoad de apps a partir de meios oficiais ser visto como a melhor medida de segurança para os usuários, ela ainda tem suas falhas, resultando em eventuais falsos positivos.

Trata-se de uma dificuldade do Google em validar as centenas de aplicações submetidas ao marketplace todos os dias. A empresa conta com dispositivos automatizados para realizar esse serviço, sistemas que não são a prova de falhas e, eventualmente, podem deixar passar algumas coisas. É o que resulta em uma estimativa de que 10% dos aplicativos disponíveis na Play Store podem estar infectados com malwares, um número publicado em março de 2013 pela Trend Micro (via Neowin) e, provavelmente, já maior nos dias de hoje.

Para evitar infecções e problemas como roubo de dados, então, confira quatro dicas simples que podem tornar a experiência com seu dispositivo Android mais segura:

Instale um antivírus

Virus

Assim como qualquer computador, seu aparelho com o sistema operacional do Google também precisa de um antivírus. São esses os aplicativos que serão a primeira linha de defesa contra infecções e malwares, recebendo atualizações constantes de seus fabricantes justamente para, pelo menos, tentar evitar que seus dados fiquem à mercê dos criminosos.

São diversas as opções disponíveis gratuitamente ou mediante pagamento na Google Play Store. A mais popular delas, de acordo com os números de download da própria empresa, é a da AVG, que pode ser baixada de graça e promete proteger seu aparelho contra as principais ameaças.

Mas, lembre-se: sistemas automatizados não são onipotentes. Assim como os mecanismos usados pelo Google para aprovar aplicativos podem falhar, os antivírus também podem. Portanto, trabalhe ao lado dele seguindo também as outras dicas expostas neste texto.

Observe as autorizações do app

Permissões Android

Essa é uma dica um pouco mais avançada, mas que pode ser certeira na hora de identificar que um app é mais do que diz ser. Todos os softwares instalados em um Android precisam de autorização para acessar alguns recursos do sistema pertinentes à sua função.

Um programa de edição de imagens, por exemplo, pode pedir acesso à câmera e galeria de imagens, enquanto um mensageiro instantâneo vai precisar usar a internet e os sistemas sem fio para comunicação. São usos específicos para funções específicas e nenhum deles deve ir além disso na hora de pedir autorizações.

Por isso, suspeite de aplicativos que solicitem mais permissões do que sua função necessita. A tela com todas as autorizações necessárias para um aplicativo aparece sempre que um novo é baixado a partir da Play Store, e o usuário pode verificar rapidamente tudo aquilo que o app deseja usar.

Desconfiou de um uso específico? Não faça o download. O Android ainda carece de uma central de autorizações dedicada, como a do iOS, que permita a ativação ou bloqueio de funções específicas, apesar de possuir aplicativos específicos para trabalhar com esse tipo de coisa.

Pesquise

Essa é, provavelmente, a mais extensa e ampla maneira de descobrir se um aplicativo é ou não malicioso. Mas isso não quer dizer que ela seja complicada, apesar de exigir certa boa vontade por parte do usuário, além de um senso apurado que, muitas vezes, pode não existir entre os usuários mais leigos.

Firmas de segurança e especialistas publicam, quase que diariamente, listas e informações sobre a identificação de aplicativos identificados como malware na Google Play Store. Tais dados aparecem com ainda mais frequência caso o app comece a ficar popular na loja online, chamando mais atenção ao capturar mais vítimas.

Sendo assim, caso desconfie de um aplicativo em especial, pesquise. Faça uma busca no Google por notícias sobre aquele app, busque informações sobre seu desenvolvedor e outros softwares desenvolvidos por ele. Na maioria das vezes, hackers criam contas falsas apenas para hospedarem um software malicioso específico. Na mesma medida, eles também acabam se tornando mais facilmente identificáveis.

As avaliações também podem ser um bom método de identificar aqueles apps que são mais do que dizem ser. Observe o que os outros usuários falam sobre a sua solução de interesse e baixe apenas quando tiver referências claras de que o download não representa um risco.

Prefira meios oficiais

google play

Apesar de termos começado este texto afirmando que 10% dos apps hospedados na Google Play Store são malwares, esta informação também tem seu outro lado. Lojas e serviços oficiais continuam sendo a melhor alternativa para o download de aplicações para seu celular já que, apesar de um em cada dez softwares representarem riscos, nove em cada dez deles são seguros para serem usados.

Sendo assim, procure sempre baixar as soluções mais populares e de empresas conhecidas, a partir de meios legítimos. Evite blogs, torrents e outros métodos que podem até trazer as soluções consagradas, mas muitas vezes, entregá-las modificadas ou infectadas com vírus. Siga o caminho da luz que tudo deverá correr bem para você.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!